Clique Ciência: É realmente possível morrer de susto?

Cintia Baio

Colaboração para o UOL

  • iStock

"Ei, você quase me matou de susto!". Quantas vezes você já disse (ou já ouviu) essa frase diante de uma situação inesperada? As reações desencadeadas pelo susto, como coração disparado, palidez e um grito de pavor, são tão intensas em nosso organismo que, em muitos casos, pensamos que realmente vamos morrer. Mas isso é mesmo possível?

De acordo com os especialistas, a resposta é: sim, podemos. Mas fique calmo! As chances de morrer em decorrência de um susto são muito maiores em pessoas que, mesmo sem saber, têm um sistema cardíaco já comprometido. O susto, nesse caso, seria apenas uma espécie de gatilho.

Arte/UOL
Tem uma curiosidade científica? Mande sua pergunta para o UOL com a #CliqueCiência

Como nosso corpo reage ao susto?

As reações causadas pelo susto tiveram origem há muito tempo, quando ainda vivíamos em cavernas. O corpo humano tem um mecanismo de proteção natural chamado de "resposta de luta ou fuga". Quando um animal (inclusive o homem) é confrontado e colocado em uma situação de risco de vida, o sistema nervoso responde ao ataque aumentando a frequência cardíaca e o fluxo sanguíneo, dilatando a pupila, entre outras coisas. Tudo isso para aumentar as chances de sucesso em uma briga ou em uma fuga.

Acontece que esse processo era de grande ajuda para os seres humanos primitivos, que viviam praticamente em estado selvagem. O problema é que agora, no mundo moderno, essa resposta de luta ou fuga não é tão necessária, causando uma certa desvantagem ao nosso sistema nervoso.

Para ativar esse mecanismo, no caso, reagir ao susto, nosso cérebro ordena a liberação de uma descarga de adrenalina na corrente sanguínea, um hormônio produzido nas glândulas suprarrenais que tem a função de preparar o corpo para o perigo.

Essa descarga provoca, entre outros efeitos, a elevação da pressão arterial, o aumento do fluxo de sangue nos músculos e a aceleração dos batimentos cardíacos (daí a expressão "meu coração quase saiu pela boca").

Além disso, a adrenalina estimula a contração dos vasos sanguíneos, que serve para melhorar a irrigação do sangue para órgãos vitais, como o cérebro e o coração. E é aí que pode estar o perigo. Se alguma artéria responsável por levar sangue para o coração (coronária) já estiver semi-obstruída, o aumento do fluxo pode levar a uma arritmia, um infarto ou até mesmo a morte.

Mas o susto não é o único gatilho. Qualquer forte emoção, seja ela positiva ou negativa também podem causar a morte. Por exemplo, você pode ter um ataque cardíaco ao ver a final de um campeonato de futebol importante para o seu time ou durante uma relação sexual.

Na Rússia, por exemplo, uma mulher morreu de infarto depois de acordar no meio do seu próprio velório. Fagilyu Mukhametzyanov, de 49 anos, foi declarada morta por engano e estava sendo velada por amigos e parentes quando se levantou do caixão e começou a gritar desesperadamente. Quando ouviu os amigos rezando, percebeu que estava no próprio velório e começou a passar mal.

Grito, coração disparado, palidez: por que ocorrem?

Todas as sensações ruins que sentimos durante e depois do susto fazem parte de um mecanismo de defesa do nosso organismo, ativado a partir da descarga de adrenalina. Veja os principais:

Palidez: o sangue deixa de circular com intensidade nas extremidades da pele e passa a ser direcionado para os órgãos essenciais do organismo, como cérebro e coração.
Tremor: o excesso de adrenalina faz com que os músculos, principalmente os das pernas, se contraiam para ajudar a consumir o excesso desse hormônio.
Olhos arregalados: também é culpa da adrenalina, que causa a dilatação das pupilas para que mais luz entre nos olhos e seja possível enxergar melhor.
Grito: não acontece com todo mundo, mas o grito pode ser uma herança biológica. Quando nossos antepassados se deparavam com algum perigo, gritavam para afastar o inimigo.

Fontes: César Jardim, cardiologista do HCor, e Leandro Teles, neurologista.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos