Primeiros cães podem ter tido origem em duas regiões diferentes, diz estudo

Do UOL, em São Paulo

  • iStock

Até pouco tempo atrás, acreditava-se que os primeiros cães seriam lobos domesticados da Europa. Mas, segundo um estudo publicado pela revista Science nesta sexta-feira (3), a origem do melhor amigo do homem também teria sido iniciada no Leste Asiático.

Segundo o estudo, duas populações geneticamente diferentes de lobos das duas regiões teriam sido domesticadas independentemente antes do advento da agricultura. Os cães do leste, então, teriam se dispersado para o ocidente juntamente com os humanos, em algum momento entre 14 mil e 6.400 anos atrás. Contudo, há vestígios de cães na Europa de mais de 15 mil anos. Por isso, os cientistas acreditam que eles tenham se originado em duas regiões diferentes.

Para chegar à hipótese, os pesquisadores geraram 59 sequências antigas de DNA mitocondrial de cães europeus (de 14 mil a 3 mil anos atrás), bem como um genoma de um cão antigo de 4.800 anos encontrado na Irlanda. As amostras foram combinadas com 80 sequências modernas completas e uma variação na sequência de DNA de 605 cães de raças atuais.

Em raças como o Eurasier, cães de trenó da Groenlândia e huskies siberianos, foram encontradas fortes assinaturas de mistura com as amostras do núcleo do Leste Asiático. O mesmo aconteceu com algumas raças da Ásia, como o dingo, raça de cão encontrada na Papua-Nova Guiné. 

Segundo a revista, a comprovação da tese de que os cães teriam sido domesticados em duas regiões diferentes precisa de mais dados das sequências do genoma de cães e lobos antigos da Eurásia e de estudos morfológicos de vestígios arqueológicos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos