Você sabia que as penas das aves são iguais há 99 milhões de anos?

Paula Moura

Colaboração para o UOL

  • Xinhua

    Âmbar com a ponta da asa de um pássaro preservada

    Âmbar com a ponta da asa de um pássaro preservada

Asas de pássaros que viveram há 99 milhões de anos foram encontradas fossilizadas em bom estado e revelaram que as aves já tinham, antes da extinção dos dinossauros, uma plumagem como a das aves modernas. Elas foram encontradas em Mianmar e o estudo foi publicado na revista Nature Communications.

"É raríssimo encontrar aves em âmbar, normalmente se encontram apenas insetos ou pequenos lagartos", diz Juan Carlos Cisneros, paleontólogo e professor da Universidade Federal do Piauí.

Para quem se lembra do primeiro filme Jurassic Park, foi graças a um mosquito encontrado em âmbar que os dinossauros foram trazidos de volta à vida. Por enquanto, ainda nenhuma ave pré-histórica foi clonada, mas, graças à preservação da resina de âmbar, a pesquisa pôde detalhar a estrutura óssea, a plumagem e a pterilose (disposição das penas no corpo da ave). Havia vestígios até de tecidos moles dos animais, que permitem imaginar o desenvolvimento das asas em aves jovens naquele período.

O âmbar tem a capacidade de mumificar assim como o gelo. Em alguns casos encontra-se até sangue.

Juan Carlos Cisneros

O tamanho pequeno das asas e o desenvolvimento incompleto dos ossos sugere que as duas aves estudadas ainda não eram adultas. Mesmo assim, tinham penas parecidas com os pássaros adultos de hoje, porque, segundo os autores, os pássaros extintos já saíam do ovo com penas que eram funcionais, diferente do que vemos nas espécies atuais.

No entanto, há algumas diferenças importantes. "Tinham dentes e asas com garras e um arranjo de ossos diferente na parte do peito e tornozelos", disse o paleontólogo canadense Ryan McKellar, do Museu Real de Saskatchewan, ao jornal El País. Fora isso, os pesquisadores afirmam que há 99 milhões de anos já haviam surgido a maior parte dos tipos de asas dos pássaros modernos e que tinham até as mesmas cores.

Wang Shenna/ Xinhua
Imagem mostra, em escala real, a amostra de fóssil da asa de um pássaro em âmbar e a simulação do animal
"Saber a cor das penas é muito valioso na descoberta", diz o paleontólogo salvadorenho radicado no Brasil. Ele conta que na região da Chapada do Araripe, entre Ceará e Pernambuco, há fósseis de aves do período Cretáceo, mas que são fósseis não mumificados, ou seja, são uma impressão deixada na rocha, sem tantos detalhes como as encontradas.

Lida Xing, da Universidade de Geociências da China, McKellar e seus colegas usaram técnicas de raio-X e tomografia computadorizada para estudar os fósseis. Comparando com outros, chegaram à conclusão que são restos de enantiornites, um grupo de aves que conviveram com os dinossauros e foram extintas junto com eles no final do Cretáceo, período que durou mais ou menos de 145,5 milhões a 65,5 milhões de anos atrás.

Aves são descendentes dos dinossauros

Segundo Cisneros, já é consenso que as aves atuais são descendentes diretas dos dinossauros - muitos dos quais tinham penas. As aves encontradas no estudo eram pequenas e menores do que os dinossauros.

Anteriormente, o conhecimento sobre as asas e penas dos pássaros do Cretáceo vinham de fósseis bidimensionais (compressões carbonizadas) e de penas individuais preservadas em âmbar. Portanto, a descoberta desses fósseis traz mais informações por serem tridimensionais.

Um grande depósito de âmbar (resina das árvores que se solidificou ao longo do tempo) de meados do período Cretáceo no nordeste de Mianmar é um dos mais prolíficos e mais bem estudados por causa dos fósseis preservados de artrópodes e plantas, mas o trabalho com plumagens só começou agora.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos