Universo tem 10 vezes mais galáxias do que cientistas imaginavam

Do UOL, em São Paulo

  • NASA, ESA, the GOODS Team, and M. Giavalisco (University of Massachusetts, Amherst)

    Esta imagem faz parte de novo censo do Universo feito por equipe de cientistas

    Esta imagem faz parte de novo censo do Universo feito por equipe de cientistas

O nosso Universo observável é muito maior do que imaginávamos, segundo estudo publicado no The Astrophysical Journal. Um censo feito com auxílio do telescópio Hubble, da Nasa, e por outras observações fez astrônomos se surpreenderem. A pesquisa apontou que há ao menos 10 vezes mais galáxias do que se imaginava ao nosso redor: cerca de 2 trilhões.

Após a coleta de dados com auxílio dos equipamentos, uma equipe liderada por Christopher Conselice, da Universidade de Nottingham (Reino Unido), viu que 10 vezes mais galáxias estavam em uma porção do Espaço no início do Universo do que o achado hoje em dia.

"Estes resultados são uma evidência poderosa de que uma evolução galáctica significativa ocorreu na história do Universo, que dramaticamente reduziu o número de galáxias por meio de junções entre elas"Christopher Conselice

Uma das questões básicas da astronomia é qual o número de galáxias no Universo. Um estudo com o auxílio do Hubble na década de 90 gerou uma estimativa de 200 bilhões de galáxias pelo espaço. Agora, com a nova pesquisa, o número pode ser ao menos 10 vezes maior.

O estudo feito por Conselice e seus colegas mediu o número de galáxias em diferentes épocas da história do Universo. Além disso, utilizaram um novo modelo matemático que permitiu a eles deduzir a existência de galáxias que a atual geração de telescópios não consegue ver.

Astrônomos descobrem planeta semelhante à Terra aqui "pertinho"

Estas duas táticas levaram à surpreendente conclusão de que mais de 90% das galáxias do Universo observável não podem ser vistas pela atual geração de telescópios por estarem muito distantes e com pouca luminosidade.

"Me deixa louco que mais de 90% das galáxias no Universo ainda têm que ser estudadas. Quem sabe que propriedades interessantes vamos descobrir quando observarmos elas na futura geração de telescópios?", questionou Conselice.

O número decrescente de galáxias também contribui para a solução do paradoxo sobre a noite: por que o céu é escuro à noite se há infinitas estrelas? O estudo mostra que realmente há esta quantidade exorbitante de galáxias com estrelas, mas há detalhes.

A luz propagada por elas é invisível ao olho humano e aos telescópios modernos por outros fatores conhecidos que reduzem a luz visível e a ultravioleta no Universo. Entre estes fatores estão o avermelhamento da luz devido à expansão do espaço, a natureza dinâmica do Universo e a absorção da luz pela poeira intergaláctica e gás. Com tudo combinado, o céu fica escuro para nós.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos