Como nosso pão de cada dia impacta no aquecimento global

Irene Baños Ruíz

Da DW

  • iStock

Esqueça seu carro ou a eletricidade: o pão de cada dia também gera impacto para o meio ambiente. O culpado é o uso insustentável de fertilizantes, afirma estudo.

O aquecimento global tem feito parte do nosso dia a dia nos últimos anos – quase tanto quanto o pão. Agora, pesquisadores conseguiram relacionar ambos. Um estudo publicado na revista Nature Plants analisou o impacto ambiental de um único pedaço de pão de sementes em nossos cafés da manhã.

Surpreendentemente, o maior dano ao nosso planeta ocorre quando o nosso pão ainda é apenas um grão de trigo minúsculo. Os fertilizantes são os culpados. Mais precisamente, o fertilizante de nitrato de amônio. Só ele responde por quase a metade de todas as emissões de gases de efeito estufa na cadeia de produção do pão.

Mas os pesquisadores insistem que o estudo não visa parar o consumo de pão. Em vez disso, quer motivar os consumidores a exigir maior transparência, e aumentar a cooperação em toda a cadeia de abastecimento para que sejam produzidos produtos mais sustentáveis.

O pão foi simplesmente um produto usado como exemplo para chamar a atenção do público. "Nosso objetivo era destacar a dependência excessiva dos fertilizantes em nosso sistema alimentar", diz Liam Goucher, autor do estudo e pesquisador da Universidade de Sheffield. "E o pão é um produto que todos conhecem facilmente".

Ilya Naymushin/Reuters
O maior dano ao nosso planeta ocorre quando o nosso pão ainda é apenas um grão de trigo minúsculo, devido ao uso de fertilizantes sintéticos em seu cultivo

Desde o início

Somente no Reino Unido, cerca de 12 milhões de pães são consumidos todos os dias. Em 2016, os europeus consumiram em média 63 quilos de pão por pessoa, de acordo com a Iniciativa Pão, um grupo que inclui cinco das maiores associações europeias de panificação.

Apesar da enorme presença do pão em nossas vidas, raramente pensamos em seu impacto ambiental – enquanto nos preocupamos com nosso consumo de energia ou com o combustível de nossos carros, por exemplo. Com o avanço da pesquisa, a enorme quantidade de energia utilizada e as constantes emissões produzidas para colheita e irrigação não surpreenderam ninguém. Mas mais de 60% das emissões vieram do cultivo de trigo.

Um dos elementos poluentes tinha um impacto muito mais severo do que todos os outros. "O que mais nos surpreende é que 43% das emissões provêm de um único fertilizante", diz Goucher. É o fertilizante com nitrato de amônio.

Fertilizantes sintéticos

Além da água, as plantas precisam de nutrientes e oligoelementos para crescer de acordo com padrões de alta qualidade. Fertilizantes com os nutrientes exatos são essenciais para garantir a fertilidade do solo, diz a agência federal alemã de meio ambiente (UBA).

No entanto, há uma distinção importante entre fertilizantes orgânicos e fertilizantes minerais ou sintéticos. Os fertilizantes podem acabar contribuindo para o aquecimento global devido à grande quantidade de energia necessária para sua produção e o gás de óxido nitroso (N2O) que é liberado quando degradado no solo, revela o estudo.

Os números podem ajudar a entender o problema. O óxido nitroso é um gás de efeito estufa que provoca 300 vezes mais danos ao clima do que o dióxido de carbono (CO2). Juntamente com o metano, o óxido nitroso constitui cerca de um quarto do aquecimento global – e é liberado principalmente através da agricultura industrial. A cadeia do pão ajuda a mostrar em um contexto mais amplo a dependência do uso insustentável de fertilizantes na agricultura, acredita Goucher.

Marcelo Justo/Folhapress
Fertilizantes usados pelo agronegócio contribuem para o aquecimento global devido à grande quantidade de energia necessária para sua produção

Responsabilidade compartilhada

Em 2050, teremos que partilhar nosso espaço na Terra com quase 10 bilhões de seres humanos, se considerarmos as projeções das Nações Unidas. Os adeptos de fertilizantes sintéticos têm razão em argumentar que eles aumentam a produção de alimentos. Mais produção em espaços menores parece ser a solução que estamos procurando para alimentar tal quantidade enorme de pessoas.

Os pesquisadores estão cientes desse desafio, mas enxergam uma alternativa. Eles acreditam que uma agricultura mais sustentável é possível se todos os participantes se envolverem e cooperarem. Ao contrário da ideia de culpar o fazendeiro ou o fabricante, a equipe de Goucher acredita em uma responsabilidade compartilhada.

"Apresentamos a ideia de uma responsabilidade compartilhada", disse ele. "Nós nos concentramos em como cooperar para reduzir o impacto ao longo da cadeia de suprimentos."

Todo mundo possui poder para diminuir o impacto ambiental do nosso alimento diário – começando pelo pão. O agricultor poderia aplicar métodos de agricultura de precisão; os fabricantes de fertilizantes podem reduzir a quantidade de gás natural utilizado; e até mesmo os consumidores poderiam ser mais exigentes na transparência do processo de produção e mais informados para escolher o seu pão de cada dia de forma mais adequada.

Dinheiro e dinheiro

"Goste ou não", aponta Goucher, "muitas mudanças no setor agroalimentar dependem de incentivos econômicos." O pesquisador está convencido de que mais investimentos poderiam reduzir o uso de fertilizantes insustentáveis. Eles poderiam ajudar, por exemplo, a tornar os fertilizantes orgânicos economicamente viáveis --para que os agricultores optem por eles. Mas a indústria agrícola tem ainda mais interesse em ganhar dinheiro do que impulsionar fontes sustentáveis --de alimentos.

Agricultores e varejistas dependem de culturas altamente produtivas – e, portanto, de fertilizantes perigosos. "É claro que há produtos muito prejudiciais, como carne bovina", diz Goucher. O pão é um ponto de partida importante, pois é um companheiro diário para a maioria de nós. Mas uma mudança não acontecerá se apontarmos apenas o pão, afirma: é necessário aumentar a transparência em todos os diferentes sistemas agrícolas e alimentares.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos