Na Oceania, peixes desenvolvem "patas" e podem viver fora d'água

Do UOL, em São Paulo

  • Wikimedia Commons

    Os peixes blênios também podem viver em ambientes terrestres

    Os peixes blênios também podem viver em ambientes terrestres

Um "peixe fora d'água" nem sempre está deslocado de seu ambiente natural, como sugere o ditado popular. A evolução das espécies já registrou, há cerca de 400 milhões de anos, a passagem de algumas espécies do meio aquático para o terrestre, em um processo que acabou, inclusive, dando origem aos seres humanos.

Agora, um estudo da Universidade de Nova Gales do Sul, da Austrália, conduzido pelo cientista Terry Ord e publicado em The American Naturalist, demonstra que esse processo ainda pode ser presenciado com espécies de peixes blênios --que possuem comportamento "anfíbio", ou seja, podem respirar fora da água-- em Rarotonga, a maior das Ilhas Cook, na Oceania, em um exemplo de "evolução em tempo real".

A equipe conduzida por Ord observou que os peixes blênios, nas águas do Pacífico Sul, quando a maré está baixa, geralmente são encontrados nadando nas bordas da ilha, em piscinas naturais que se formam nas rochas. Quando a maré sobe, porém, os animais se movem para as rochas secas e ali permanecem até que a maré baixe.

A primeira hipótese aventada pelos pesquisadores para explicar o comportamento dos peixes blênios foi a de que, ao se deslocarem para um ambiente terrestre, os animais estariam se esquivando de predadores que surgem na maré alta, como o linguado e o peixe-leão.

Um teste, então, foi realizado com o intuito de confirmar esta hipótese: a equipe de cientistas instalou barreiras de plastilina na região onde vivem os peixes, de maneira que eles não pudessem se deslocar com a chegada da maré alta, obstruindo assim a "rota de fuga". O resultado comprovou a tese dos pesquisadores, já que os blênios, impedidos de fugirem dos predadores, acabaram sendo encontrados com ferimentos.

A vida em terra firme

Ao se deslocar da água para os rochedos, além de fugir de predadores, o peixe blênio encontra um ambiente favorável para sua reprodução e alimentação: buracos nas rochas servem de abrigo para os ovos e bactérias e algas incrustadas nestes rochedos são um "prato cheio" para este animal.

Segundo o estudo da Universidade de Nova Gales do Sul, várias espécies de peixes blênios já fizeram a transição completa de animais aquáticos para terrestres. Para isso, continuaram a respirar com as brânquias, mas desenvolveram barbatanas nas caudas mais fortes que lhes permitem saltar de rocha para rocha.

"Se você nunca olhar sobre a cerca, você nunca vai saber que a grama é mais verde", afirmou o cientista Terry Ord à New Scientist. "No entanto, se você for forçado ao outro lado para escapar de algo, você pode perceber que tem benefícios adicionais e quer ficar lá e se adaptar."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos