Crise afugenta cientistas e transfere pesquisas do Brasil: "Na penúria"

Diego Toledo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Arte/UOL

O pesquisador Sérgio Teixeira Ferreira é chefe do Laboratório de Doenças Neurodegenerativas do Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Atualmente ele se divide entre o Rio e a cidade de Kingston, no Canadá, onde sua mulher e principal parceira nas pesquisas sobre a doença de Alzheimer, a neurocientista Fernanda De Felice, está em missão científica.

"Ela aproveitou um momento muito complicado da ciência no Brasil para fazer essa opção de sair por um período para tentar fazer fora o que não conseguia fazer aqui", afirma. Nos últimos meses, a equipe de Ferreira perdeu sete pesquisadores (dois doutores e cinco alunos de doutorado) e outros dois já avisaram que devem sair entre setembro e outubro. Todos foram para o exterior.

"O meu laboratório não aguenta mais um ano na situação atual", acrescenta Ferreira, que lidera um grupo de pesquisadores reconhecido internacionalmente por suas descobertas na busca por novos tratamentos contra o Alzheimer. "Estamos em uma absoluta penúria. Vários destes estudantes estão saindo para fazer experimentos no exterior porque nós não temos material de pesquisa no Brasil."

A saída do país de profissionais altamente qualificados, movimento que ficou conhecido como "fuga de cérebros", é apenas uma das facetas dos problemas enfrentados por quem atua na área de ciência e tecnologia no Brasil.

A equipe da UFRJ é vítima da falta de recursos que atinge o setor e que se agravou com os recentes cortes no orçamento anunciados pelo governo como reação à crise econômica.

Fernando Frazão/Agência Brasil
Falta de recursos prejudica pesquisa de equipes da UFRJ
No Rio, a situação é ainda pior diante da grave situação das contas do governo estadual, que afeta a liberação de recursos da Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio), uma das principais fontes de financiamento para o setor.

A Academia Brasileira de Ciências (ABC) calcula que o atual orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) corresponde a apenas cerca de 50% do valor –-corrigido pela inflação-– disponível para a pasta há mais de dez anos, em 2005. E, para piorar, na época, não estavam incluídas as despesas do extinto Ministério das Comunicações.

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241, ou PEC do Teto, também pode congelar o pior orçamento para a ciência dos últimos sete anos, segundo opinam cientistas.

Faltam verbas, equipamentos e material de trabalho

Além do Laboratório de Doenças Neurodegenerativas da UFRJ, o impacto da escassez de recursos também ameaça prejudicar o trabalho de importantes pesquisas sobre a epidemia do vírus da zika no Brasil e em áreas como nanotecnologia, por exemplo.

"Isso está afetando os trabalhos experimentais, que sofrem porque precisam de equipamento e insumos", diz o presidente da ABC, Luiz Davidovich, professor do Instituto de Física da UFRJ. "Laboratórios de neurociências ou biologia, por exemplo, precisam importar camundongos geneticamente modificados. Para isso, você precisa ter um fluxo de recursos constantes. No momento em que não conseguem importar mais esses insumos, os laboratórios param."

"Teses de doutorado estão sendo interrompidas pela falta desses materiais. Os estudantes ficam sem opção aqui no Brasil", acrescenta. "A grande preocupação é que você vai ter um buraco na formação de novos pesquisadores. Temos que formar jovens para não haver uma interrupção na capacidade do país de enfrentar problemas de saúde da população, de melhorar a produtividade da agricultura e de continuar descobrindo coisas como o petróleo do pré-sal."

A presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, professora de biologia molecular da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), aponta que as dificuldades de financiamento para o setor vão além da falta de equipamento. 

"Não estamos tendo dinheiro para pagar o mínimo da pesquisa: bolsas de estudo. Muitos estudantes estão desistindo porque não têm bolsas, como vão sobreviver?", questiona Helena. "Nós, pesquisadores deste país, deveríamos ser encarados como heróis. Nós lutamos para continuar trabalhando."

O ministério diz ter preocupação com a fuga de cérebros e que tem realizado iniciativas como o programa Bolsa Jovens Talentos, com o objetivo de repatriar ou reter jovens pesquisadores no país.

O órgão afirma ainda que está atuando junto aos Ministérios da Fazenda e do Planejamento para buscar a recuperação do orçamento da pasta e que tem como prioridade apoiar os seus 16 institutos de pesquisa para "evitar que impactos significativos venham a ser observados".

Ida sem volta

Arquivo pessoal
A neurocientista Suzana Herculano-Houzel se mudou para os EUA há um ano
A nova onda da fuga de cérebros do Brasil começou a chamar a atenção há cerca de um ano, quando a renomada neurocientista Suzana Herculano-Houzel deixou a UFRJ e se mudou para a Universidade Vanderbilt, em Nashville, nos Estados Unidos. Na ocasião, a pesquisadora manifestou seu descontentamento com as dificuldades para produzir ciência de ponta no Brasil e criticou o modelo do sistema do funcionalismo público brasileiro aplicado às universidades.

As queixas não são novas e ajudam a entender por que muitos pesquisadores que deixam o país acabam não voltando. A astrônoma Duilia de Mello se mudou para os Estados Unidos há 20 anos, em 1997. Atualmente é pesquisadora do Instituto de Astrofísica e Ciência da Computação da Universidade Católica de Washington e colabora com o Goddard Space Flight Center, da Nasa (a agência espacial dos EUA).

Uma das mais reconhecidas profissionais brasileiras de sua área, Duilia acompanha com preocupação a situação da ciência no Brasil, em especial a saída para o exterior de jovens pesquisadores. Ela conta que, quando deixou o país, o Brasil também passava por um momento difícil, mas que chegou a pensar em voltar quando a situação melhorou. Agora, lamenta a nova fase de pessimismo.

"Quando eu saí, eu me sentia traída pelo Brasil porque eu tinha investido a minha vida na minha carreira, e o país parou de investir em ciência", recorda Duilia. "Pouco mais de três anos atrás, eu estava em uma boa fase para mudar e eu contemplei a minha volta, porque o Brasil estava em um bom momento, mas acabei não voltando."

"Um dos motivos foi porque não existe esse caminho da volta para quem fez carreira fora do Brasil. O sistema de concursos brasileiros é muito arcaico, não abre vagas para professores titulares, e o Brasil não se modernizou nisso", critica a astrônoma. "Eu falo muito para os jovens brasileiros que saíram e estão fora: 'Cuidado, não esperem muito para voltar, porque, se esperar muito, não se consegue'."

"O sistema de concursos nas universidades e nos institutos de pesquisa no Brasil não está preparado para aceitar o profissional que já tem a experiência fora. Países como Índia e China têm pacotes para o retorno do pesquisador. O Brasil tentou, mas nunca avançou nisso", acrescenta Duilia. "A ciência precisa de uma estabilidade para poder ser bem-feita. O bom cientista que tem oportunidade de sair, vai sair. Infelizmente, não vejo esperança de investimento ou de mudança."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos