De freezer a micro-ondas: a ciência ajuda a secar sua roupa mais rápido

Clayton Freitas

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Getty Images

Se secar roupa já não é lá uma tarefa tão simples para quem não possui secadora e mora em apartamentos com pouca ventilação e luz do sol, em dias de frio e com céu encoberto a situação fica ainda mais complicada. A ciência ajuda a contornar a situação com práticas bem simples que vão do uso do ventilador a congelar a roupa –sim, isso mesmo, colocar no freezer.

Antes de mais nada é preciso entender que a secagem de tecidos, sejam eles compostos por fibras vegetais ou sintéticas, é basicamente o efeito de duas coisas: transferência de ar e transferência de calor.

Apesar de não serem os únicos métodos existentes, a intensidade de cada um vai depender da forma empregada, da quantidade de roupa que foi lavada e, sobretudo, do tipo de tecido. Os mais leves retêm menos água na lavagem, e, portanto, secam mais rapidamente.

Getty Images/iStockphoto

Torcer até o último fio funciona?

Uma coisa é certa: torcer qualquer tipo de roupa e sová-la mais do que massa de pão não irá resolver o seu problema e pode causar outros, tais como esgarçar as fibras até rompimento delas. Sim, elas podem rasgar. E não adianta colocar a culpa nas peças de promoção.

O que fazer então? No máximo, você deve dobrá-las e amassá-las.

Grande parte das roupas exige uma centrifugação mais suave. É fora de questão [torcê-las]. Se não tiver uma centrífuga, nunca se deve torcer, pois pode esgarçar tecidos. As de nylon e poliéster então, nem pensar. É dobrar e amassar."

Paulo Alfieri, engenheiro químico têxtil 

Getty Images/iStockphoto

Ventilador e secador de cabelo

Um dos métodos mais simples para secar a roupa mais rapidamente é usar o ventilador. "Quanto mais você movimentar essa roupa, mesmo que pareça uma bandeira esvoaçando ao vento, melhor. A umidade do vento produzido pelo ventilador é menor do que a que está na roupa, e daí ela seca", explica Alfieri, professor da FEI (Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana).

O uso do secador é eficaz para uma quantidade menor de peças e demanda alguns cuidados: manter uma distância mínima de dez centímetros da peça para o aparelho, movimentar o jato de ar em várias direções para que o calor seja distribuído mais uniformemente e não usar a velocidade máxima do secador.

"Se você coloca muito próximo e com ar muito quente, pode provocar manchas", explica Alfieri. O risco é maior para peças de material sintético. 

Os secadores podem chegar a 70ºC, mas o ideal é que a temperatura de um secador de cabelos usado para secar a roupa fique em torno de 45ºC, ou seja, morna. Se esse cuidado não for tomado, podem aparecer manchas.

O problema é que o calor provoca a migração do corante usado para tingir as fibras. Quanto menor for a qualidade do corante, mais facilmente ele irá migrar de lugares mais quentes para os mais frios dos tecidos. "Dependendo do tipo de corante usado, eles resistem mais ou menos ao calor. Quem compra geralmente não sabe disso", afirma Alfieri.

Thinkstock/UOL

Micro-ondas e freezer

Sim. Você não leu errado. Os dois processos podem parecer antagônicos mas são muito eficazes. 

O mais instantâneo é o do micro-ondas. Porém, é o mais arriscado, pois pode manchar a roupa. No processo de micro-ondas, as moléculas de água presentes nas roupas se agitam de uma maneira muito rápida, gerando atrito e, consequentemente, a evaporação.

É fundamental monitorar o tempo e dobrar de forma cuidadosa a peça de roupa, além de higienizar de forma adequada o micro-ondas antes de colocar as peças. Alfieri afirma não haver um tempo exato para cada tipo de peça. O certo é um aquecimento médio, de até 50ºC, acima disso pode provocar manchas.

A dificuldade é que a maior parte dos equipamentos disponíveis no mercado não oferecem a opção de regular a temperatura, mas somente a potência e tipo dos alimentos a serem esquentados. O ideal é colocar a peça e testar por poucos minutos. Tirá-la e ir monitorando para saber se secou.

Reprodução/Mara Boell

Agora, imagine a seguinte situação: você está num quarto de hotel, não tem mais roupa alguma limpa e tem um compromisso inadiável no dia seguinte.

Em emergências assim, você pode lavar a sua peça de roupa no banheiro, dobrá-la, amassá-la para tirar o excesso de água, colocar num saquinho plástico e levá-la ao freezer do frigobar. No dia seguinte, é só abrir o saquinho, abrir a peça de roupa e chacoalhar a roupa para tirar as minúsculas pedras de gelo que se formaram no tecido. E, acredite, ela estará seca.

"A água se solidifica e fica entre as fibras e filamentos. Dependendo da temperatura do freezer, a transformação de água em gelo pode ocorrer em duas horas", afirma Alfieri.

Esse método é eficaz para a maior parte dos tecidos. Entretanto, não é recomendado para peças sintéticas como lycra, elastano e viscose, já que esse tipo de manipulação pode danificar a mecânica do produto. 

Esqueça motor de geladeira e secador de alface

Apesar de serem métodos muito conhecidos, usar secadores de alface –que funcionam como pequenas centrífugas– e grades de geladeiras não são os mais adequados para secar as roupas.

A não ser que você fique ao menos três horas girando a manivela do secador de alface, e talvez tenha uma LER (Lesão por Esforço Repetitivo) por isso, não conseguirá secar a sua roupa. 

Colocar peças de roupas em grades de motores de geladeiras é o mais ineficiente de todos os métodos. Mesmo que a grade esteja quente, o que não ocorre em geladeiras novas, ela fica posicionada próximo à parede fria, não permitindo a circulação de ar.

É melhor colocar a roupa pendurada na janela, mesmo com pouco vento."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos