Rápido e sem dor ou lentamente: como morrem os condenados à pena de morte

Colaboração para o UOL

  • Thinkstock

Apedrejamento, injeção letal, decapitação e fuzilamento são os principais métodos de execução usados nos 55 países que ainda adotam a pena de morte como punição para determinados crimes, que vão de adultério a terrorismo. Embora o tema seja mórbido, você já parou para pensar no que acontece com essas pessoas na hora da execução?

O ato de condenar alguém à morte por determinado crime cometido foi criado há vários séculos. Já no Código de Hamurabi, um dos mais antigos conjuntos de leis escritas (por volta de 1800 a.C), aplicava-se a pena de morte.

Na Antiguidade, o objetivo do ato não era só matar, mas também fazer com que a morte fosse lenta, dolorosa e envolvesse tortura, funcionando como uma espécie de castigo. Atualmente, máquinas e métodos foram desenvolvidos para que a hora final seja a mais eficiente possível – com menos dor, rápida e sem tortura.

Saiba o que acontece com o corpo antes do último suspiro.

Reprodução
A guilhotina foi bastante usada durante a Revolução Francesa
Decapitação

A remoção da cabeça de uma pessoa é considerada uma das mortes mais rápidas. A dor dura apenas alguns segundos. No passado, o instrumento mais usado era a guilhotina, um dos símbolos da brutalidade da Revolução Francesa no século 18. Mas desde 1977 ninguém é executado por essa máquina mortífera. Nos países em que a degola ainda é praticada, utiliza-se a espada para matar. Ao cortar a cabeça num só golpe, o sofrimento é menor.

A respiração e a irrigação de sangue até o cérebro dependem do elo que une a cabeça ao resto do corpo. Quando a região é cortada, o oxigênio do corpo e suas fontes de energia são subitamente interrompidos. A morte ocorre com a falência dos batimentos cardíacos e da falta de respiração.

Mesmo após a cabeça ser decepada, o cérebro ainda pode consumir o oxigênio que sobrou. É por isso que os cientistas acreditam que a vítima possa ter algum tipo de consciência após o golpe fatal.

Num estudo realizado em ratos, em 1991, descobriu-se que o cérebro levou 2,7 segundos para terminar de consumir o seu fornecimento de oxigênio. 

Getty Images/iStockphoto

Enforcamento

Se feito da forma correta, o enforcamento induz a uma morte rápida. O instrumento usado é a forca. Se a corda tem a medida ideal, quando se retira o apoio dos pés da vítima, o peso do próprio corpo exerce uma forte pressão que quebra o pescoço.

A ruptura das vértebras cervicais e a lesão da medula espinhal provocam a obstrução das vias áreas e impedindo a passagem de ar. A morte cerebral acontece por falta de oxigênio e se dá em menos de um minuto. Caso a corda seja muito longa, pode ocorrer a decapitação instantânea.

No entanto, se a corda for muito curta, as vértebras cervicais podem não se romper. Nesse caso, o laço provoca o esmagamento das veias jugulares e das artérias carótidas, o que bloqueia a circulação de sangue para o cérebro. Com a compressão vascular, a vítima tem convulsões e se debate para ficar viva. Ela sente uma sensação de calor e zumbidos, até perder a consciência. A morte acontece de forma mais lenta, por asfixia. A agonia pode durar até 20 minutos. Também ocorre o relaxamento dos esfíncteres e a liberação de fezes, urina e até de sêmen.

Fanny Carrier/AFP Photo

Eletrocussão

A cadeira elétrica foi criada em 1890 nos Estados Unidos, como uma alternativa mais rápida ao enforcamento. A ideia é que uma corrente massiva de energia elétrica possa causar a morte instantânea da pessoa. 

Uma descarga inicial de 2.000 volts é usada para atravessar o corpo do condenado. Com o choque gerado pela corrente, ocorre a falência múltipla de órgãos vitais.

A primeira região atingida é o cérebro, que fica paralisado. O condenado perde a consciência e o coração começa a bater acelerado até entrar em parada cardíaca, o que provoca a morte.

A passagem da corrente gera calor e a temperatura corporal pode chegar a 100°C. Essa intensidade "frita" órgãos como os pulmões, estômago e intestinos. Já houve casos em que a cabeça pegou fogo e a pele chamuscou.

Além disso, o corpo chacoalha violentamente e a pessoa perde o controle das funções fisiológicas. É comum ocorrer sangramento dos ouvidos e narinas. Os olhos podem sangrar saltar das órbitas e até derreter.

iStock

Injeção letal

O método foi criado em 1977 nos Estados Unidos, como uma alternativa mais humana à cadeira elétrica. Ele consiste na injeção de três drogas administradas de forma sucessiva. A primeira seringa possui uma alta dose de anestésico, o que faz o condenado dormir em poucos segundos.

Em seguida, os executores aplicam um relaxante muscular. Ele impede a contração dos músculos e o diafragma deixa de funcionar, o que paralisa a função respiratória. Finalmente a veia recebe uma alta dose de cloreto de potássio, que provoca parada cardíaca na hora. A morte chega em até 1 minuto.

Esse tipo de execução é considerado muito eficiente. Mesmo assim, pode apresentar complicações.

No ano passado, uma equipe de execução de Ohio, nos EUA, não conseguiu encontrar a veia de um condenado para aplicar as drogas letais após 18 tentativas.

Mohamed Abdiwahab/AFP

Fuzilamento

Dos métodos de execução em vigor, o fuzilamento é o mais comum. Geralmente um pelotão de soldados recebe ordens para disparar as armas em simultâneo contra a pessoa condenada. Para ter eficiência, os atiradores miram diretamente no coração.

A bala que entra na carne da vítima pode estourar diversos músculos e acertar as veias responsáveis pelo transporte de sangue no corpo. Ao receber um tiro no coração, nervos e vasos sanguíneos se rompem. A dor é aguda. A ferida pode causar hemorragia e a pressão sanguínea cai rapidamente. O condenado leva de 10 a 15 segundos para perder a função cerebral, o que leva à perda de consciência. Se ele ainda der sinais de vida, um soldado pode dar o tiro final na cabeça.

Câmara de gás

Durante a Segunda Guerra Mundial, uma invenção barata permitiu assassinatos em massa. Nos campos de concentração nazistas, os prisioneiros eram obrigados a entrar em salas repletas de vapor tóxico gerado por pesticidas. Nos Estados Unidos, pequenas câmeras de gás foram instaladas em presídios para executar prisioneiros. Porém, desde 1999 elas não são usadas.

O gás mais usado no método é o cianeto de hidrogênio, um veneno para todas as formas de vida. Ao inalar a substância, o gás passa pelo sangue até chegar às células, onde ele desequilibra o aproveitamento do oxigênio pelo organismo. Logo o prisioneiro tem falta de oxigênio nos tecidos. Todo o metabolismo é afetado com o excesso do gás. A vítima apresenta respiração ofegante, confusão mental e arritmia cardíaca. Há crises convulsivas, sangramento e perda das funções fisiológicas.

O resultado é a morte por insuficiência respiratória, que leva em média 10 minutos.

Fontes consultadas: Manual de Medicina Legal  ( 8ª edição), Guia de Perícias Médico-Legais (6ª edição), Auschwitz Museum, capitalpunishment.org, deathpenaltycurriculum.org

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos