Grande Mancha Vermelha de Júpiter tem diminuído e mudado de cor, diz NASA

Do UOL, em São Paulo

  • Nasa

    Foram analisadas observações históricas do ponto desde 1878

    Foram analisadas observações históricas do ponto desde 1878

Ainda que seja grande o suficiente para engolir até três Planetas Terra, a Grande Mancha Vermelha de Júpiter tem diminuído ao longo do último século, como constatou um artigo publicado nesta terça-feira (13) na revista científica "Astronomical Journal". 

A Grande Mancha Vermelha -- que possivelmente existe há mais de 350 anos-- foi observada pela primeira vez em 1831, mas não se sabe se os pesquisadores da época estavam se referindo a mesma tempestade. De qualquer forma, o tamanho e a deriva do ponto vermelho têm sido medidos ao menos uma vez por ano desde 1878.

E, com o arquivo histórico das observações, os pesquisadores da Nasa (Agência Espacial dos EUA) identificaram que a Grande Mancha Vermelha começou a se deslocar para o oeste mais rápido do que antes, apesar de a tempestade permanecer sempre na mesma latitude (mantida pelas correntes de vento ao norte e ao sul).

Leia também: 

O estudo confirma ainda que a tempestade, em geral, vem diminuindo desde 1878. Mas notou-se que a área cresceu temporariamente na década de 1920. "As tempestades são dinâmicas. Estão mudando constantemente em tamanho e forma, e seus ventos mudam também", explicou Amy Simon, especialista em atmosferas planetárias do Goddard Space Flight Center da NASA e autor principal do artigo.

"Há evidências nas observações arquivadas de que a mancha vermelha cresceu e diminuiu ao longo do tempo", acrescentou o co-autor Reta Beebe, professor emérito da Universidade Estadual do Novo México. "No entanto, a tempestade é bastante pequena agora, e faz muito tempo que não cresce".

Os pesquisadores também notaram mudanças na cor da Grande Mancha Vermelha, que desde 2014 têm se tornado intensamente mais alaranjada. O motivo é desconhecido, mas, segundo o artigo, é possível que os produtos químicos que cortam a tempestade sejam levados para a atmosfera, enquanto o ponto se estende. Em altitudes mais altas, os produtos químicos seriam submetidos a mais radiação UV e assumiriam uma cor mais intensa.

O que os astrônomos não sabem também é quanto tempo mais essa tempestade vai durar nem mesmo se um dia ele poderá desaparecer por completo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos