Rio destina ao Museu do Amanhã 24 vezes o que Nacional pede para manutenção

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

  • Montagem - Arte UOL

    Museu do Amanhã, na parte superior da imagem, e Museu Nacional, na inferior: ambos estão no Rio

    Museu do Amanhã, na parte superior da imagem, e Museu Nacional, na inferior: ambos estão no Rio

Ambos são museus de ciência e estão em áreas centrais do Rio. Mas, além dos oito quilômetros que separam o Museu do Amanhã do Museu Nacional, há entre os dois um abismo orçamentário: a instituição inaugurada em 2015 recebeu, dos cofres públicos, R$ 12 milhões ano passado -- ou 24 vezes o valor que o museu de 1822 pedia para arcar com suas despesas de manutenção.

A origem do dinheiro é diferente, embora a fonte seja a mesma: o dinheiro do contribuinte, que chega ao Museu do Amanhã via Prefeitura do Rio, enquanto o Museu Nacional recebe do governo federal, que repassa a verba para uma universidade, a UFRJ. 

Sem receber o repasse completo para sua manutenção há três anos, o Museu Nacional viu o auge de sua crise no último domingo (2), quando um incêndio destruiu as instalações. Agora, a Polícia Federal investiga as causas do incidente, 

R$ 39,4 milhões

À primeira vista, trata-se de uma diferença orçamentária de 78,8 vezes, mas há ressalvas. Os R$ 39,4 milhões do Museu do Amanhã incluem a folha de pagamento de seus 153 funcionários, enquanto os salários dos 300 funcionários do Museu Nacional são pagos à parte, "geridos pelo Tesouro Nacional", informa a assessoria da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). O gasto não foi informado pelo ?museu federal até o fechamento da reportagem.

Leia também:

Sensação no Rio de Janeiro, o Museu do Amanhã também recebe incentivos da iniciativa privada, além da receita de bilheteria e do aluguel de espaços para eventos. Dos quase R$ 40 milhões, a prefeitura bancou R$ 4 milhões e, até o final do ano, promete repassar mais R$ 8 milhões em parcelas, como ocorreu em 2017. O restante da receita (R$ 27 milhões) é dinheiro de "patrocínios e receitas operacionais". 

Essa diferença de investimento público, de 24 vezes, é ainda maior na prática, uma vez que Brasília não repassou a verba integral ao Museu Nacional por três anos seguidos. De acordo com a UFRJ, o governo transferiu R$ 346,3 mil em 2015, aumentou o valor para R$ 415,3 mil em 2016 e, no ano passado, voltou a reduzir o repasse, novamente para R$ 346,3 mil. O museu chegou a recorrer a uma vaquinha virtual para pagar as contas.

O museu é pop

Esquecido, o Museu Nacional não vinha recebendo nem verbas nem muitos visitantes, embora tivesse joias raras em sua coleção, como peças da antiguidade grega e egípcia, além do fóssil de Luzia, o ser humano mais antigo encontrado nas Américas. Em 2017, o complexo registrou 192 mil visitas, nem perto dos 289 mil brasileiros que passaram pelo Louvre, na França, no ano passado.

Reprodução/Bernard Lessa/Museu do Amanhã
Museu do Amanhã, Rio de Janeiro
Em compensação, o Museu do Amanhã não para de bater recordes de público. Quando foi inaugurado, em dezembro de 2015, recebeu 25 mil pessoas em seu primeiro final de semana. Até o dia 3 de setembro deste ano, 3,2 milhões de pessoas já tinham visitado o acervo. 

A falta de verba e o incêndio

A estrutura precária do prédio em razão do pouco dinheiro repassado pelo governo federal para sua manutenção pode ter sido responsável não apenas pelo incêndio, mas pela gravidade de suas consequências. A falta de estrutura pode ter contribuído até para que objetos fósseis, que não se destroem em incêndios, se perdessem no desastre.

Paleontólogo da USP, Max Cardoso Langer disse ao UOL que tomou um "choque" quando visitou o museu para uma pesquisa no início dos anos 2000. "A impressão na época foi chocante. Prateleira sem resistência, sem estrutura anti-incêndio, fiação elétrica em más condições", conta. "Faltam recursos para cuidar, mas também falta conscientização da sociedade, autoridades, que não têm noção do quão importante é cuidar da estrutura."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos