Reviravolta: DNA muda teorias de como ser humano chegou à América

Edison Veiga

Colaboração para o UOL, em Milão (Itália)

  • Getty Images

    Estreito de Bering, que liga os oceanos Pacífico e Artíco, entre a Rússia e os Estados Unidos, por onde se acredita que os humanos tenham cruzado para chegar à América

    Estreito de Bering, que liga os oceanos Pacífico e Artíco, entre a Rússia e os Estados Unidos, por onde se acredita que os humanos tenham cruzado para chegar à América

Sabe aquela história de que os seres humanos chegaram ao continente americano via Estreito de Bering? E aquela outra teoria de que, na verdade, viemos pulando de ilha em ilha pela Oceania, a partir da Austrália, até a América do Sul? Esqueça tudo isso. Ou melhor, some tudo isso – sem excluir nenhuma ponta nem outra, mas compreendendo que a ocupação das Américas foi algo muito mais complexo do que se imaginava.

É o que sugerem alguns estudos publicados na última quinta-feira (8) nos periódicos científicos Science, Science Advances e Cell. Todos partem do princípio de uma extensa análise de DNA realizada por um grupo internacional de cientistas, em um esforço para compreender os genomas dos ancestrais do continente americano.

"Encontramos evidências de rápida dispersão e diversificação precoce, incluindo grupos previamente desconhecidos. Isso significa que foram múltiplas migrações geograficamente desiguais, incluindo pistas de uma oriunda da Australásia no período Pleistoceno Superior", escreveu Víctor Moreno-Mayar, vinculado à Universidade de Copenhague, um dos participantes do estudo.

Leia Também:

Uma das descobertas mais interessantes mostra a presença de uma população do Pleistoceno Superior, cerca de 11,7 mil anos atrás, com ancestralidade da região da Austrália – e, curiosamente, só presente na América do Sul, ou seja, confirmando que tal migração não passou pelo norte do continente, já que não foram encontrados vestígios genéticos deles por lá.

O mesmo estudo mostrou evidências de populações que se restringiram à América do Norte e identificou que a América Central é onde há uma mistura mais generalizada de material genético, identificando um possível ponto de encontro e miscigenação entre povos diferentes.

Complexidade

"O abrangente estudo sugere um povoamento altamente complexo dos continentes americanos, algo que não pode ser explicado por modelos simples ou padrões de dispersão", afirma a American Association For The Advancement Of Science (AAAS), que publica a revista 'Science'.

Os cientistas analisaram material genético de restos mortais de habitantes de toda América - do Alasca à Patagônia.

Um estudo publicado na Cell também mostra indícios de trocas genéticas e rotatividade populacional na América ancestral.

Naquele que é considerado o primeiro estudo de dados antigos de DNA de alta qualidade das Américas Central e do Sul, um grupo de cientistas de diversas instituições internacionais debruçou-se sobre 49 genomas, alguns com até 11 mil anos.

Os resultados mostram que os humanos oriundos da chamada cultura Clovis, que surgiu há cerca de 13,5 mil anos na região onde hoje é o estado do Novo México, nos Estados Unidos, tiveram grande impacto demográfico em populações ao sul do continente.

Foram encontrados resquícios de DNA desse povo em amostras obtidas no Brasil, Chile e Belize. 

"Isso confirma a hipótese de que a cultura Clovis também se disseminou para as Américas Central e do Sul", diz Cosimo Posth, um dos autores do trabalho, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana.

Por outro lado, em amostras antigas sul-americanas com menos de 9 mil anos de idade não foram encontrados resquícios Clovis. De acordo com o pesquisador David Reich, professor de genética da Escola de Medicina de Harvard, este é "o segundo ponto-chave" da pesquisa. "Mostra que houve uma substituição populacional em todo o continente, que começou há pelo menos 9 mil anos", disse.

Ou seja: uma nova população deve ter chegado ao continente nesse período e prevalecido sobre os Clovis. Conforme mostra o estudo, após esse período há uma "notável continuidade genética entre indivíduos antigos de até 9 mil anos atrás e humanos contemporâneos de várias regiões da América do Sul".

Mas ainda há mais dúvidas do que respostas. Os cientistas ressaltam que o estudo apenas vislumbra novas hipóteses e descobertas. A comunidade científica acredita que, para ter explicações definitivas sobre como o ser humano ocupou as Américas, seria necessário obter DNA antigo de indivíduos que habitaram o continente em período mais antigo do que 11 mil anos atrás.

Mesmo do período compreendido na pesquisa atual, faltam dados de outros locais geográficos. "Faltam dados antigos da Amazônia, do norte da América do Sul e do Caribe e, portanto, não podemos determinar como os indivíduos nessas regiões se relacionam com os que analisamos", destaca Reich. "O preenchimento dessas lacunas deve ser prioridade para um trabalho futuro".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos