Topo

15 fatos incríveis sobre a Lua que você talvez não saiba

Reuters/Nasa
Astronauta Eugene Cernan na missão Apollo 17, a última que levou pessoas à Lua (em 1972) Imagem: Reuters/Nasa

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

2019-03-09T15:45:02

09/03/2019 15h45

Olhamos pro céu à noite e quem está lá? A Lua, claro. O nosso satélite natural causa atração e admiração da humanidade desde tempos remotos, mas existem muitos fatos que a maioria de nós desconhece sobre nossa companheira.

O site Business Insider elaborou uma lista de informações e curiosidades que muitos nem imaginam da Lua. E tem de tudo.

Confira abaixo 15 fatos incríveis que você talvez não saiba sobre nosso satélite natural:

1 - Se a Terra fosse do tamanho de uma bola de basquete, a Lua teria o tamanho de uma bola de tênis

A definição é baseada na escala de tamanho entre os objetos. Nessa mesma escala, a distância da Terra para a Lua seria de 23 pés e 9 polegadas, segundo a Nasa.

2 - A Lua está a 30 Terras de distância da Terra

A distância da Lua para a Terra difere porque nosso satélite não orbita em um círculo perfeito. Mas, em média, daria para encaixar 30 Terras entre a Terra real e a Lua.

3 - Os efeitos das Luas nas marés está diminuindo a velocidade de rotação da Terra

A Lua exerce uma influência na Terra que é parcialmente responsável pelo fluxo e refluxo das marés. O físico George Darwin (filho de Charles Darwin) descobriu que a maneira como a gravidade da Lua puxa a água terrestre está diminuindo a rotação da Terra. Nossos dias ficam mais longos por cerca de 0,002 segundos a cada século.

4 - A Lua se formou provavelmente há 4,5 bilhões de anos

Nossa companheira é mais jovem do que a Terra, mas também não é nada novinha. Acredita-se que a Lua foi criada após um objeto do tamanho de Marte se colidir com a Terra há 4,5 bilhões de anos, segundo a Nasa. Os detritos dessa colisão passaram a orbitar a Terra e eventualmente se uniram para formar nosso satélite.

5 - Inúmeros fatores impedem que seres vivos sobrevivam na Lua

O sonho de morar na Lua dificilmente vai virar realidade. A atmosfera fina do satélite e a falta de líquido são impeditivos, mas outros fatores dificultam que seres vivos em geral habitem por lá. As missões da Apollo tiveram vários problemas com poeira, por exemplo - na Lua, essa substância é como um talco e pode causar vários problemas em equipamentos. A variação absurda da temperatura também é outro problema.

6 - Lá, um dia dura 13 dias terrestres

A Lua tem rotações em seu eixo, realizando uma volta inteira a cada 27 dias terrestres. Por isso, um dia em um lado da lua dura cerca de 13 dias e meio na Terra, seguido por um período igual de noite.

7 - A Lua tem "luamotos"

Dados colhidos em 1970 fizeram cientistas descobrir que a Lua tem "luamotos", semelhantes a terremotos daqui. Eles são causados por pequenas distorções em todo o planeta causadas por impactos de meteoritos e movimentos termais causados pela expansão da crosta frígida quando iluminada pela primeira vez pelo sol da manhã após duas semanas de noites lunares congelantes. Além disso, "luamotos" de causas desconhecidas abaixo da superfície podem durar 10 minutos. Na Terra, isso causaria grandes danos - por aqui, a água interrompe terremotos e faz eles durarem poucos minutos.

8 - Nossa Lua é a quinta maior do Sistema Solar

Nada mal, né? Entre as mais de 150 luas orbitando planetas no nosso Sistema Solar, a nossa está em quinto lugar em tamanho. A maior de todas é a Ganymede, que orbita Júpiter.

9 - A superfície da Lua está recheada de objetos humanos

Se você acha que humanos poluem só a Terra, saiba que a Lua também está recheada de detritos deixados por nós. Na década de 60, além da famosa bandeira norte-americana, os primeiros homens a pisarem lá deixaram uma homenagem honrando a tripulação da fracassada missão da Apollo 1 e uma placa que diz "aqui homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na Lua, em julho de 1969 d.C.. Viemos em paz em nome da humanidade". Desde então, como publicado pelo The Atlantic, astronautas deixaram cerca de 180 mil quilos de materiais na Lua - entre veículos espaciais, estações de subida e descida, e até bola de golfe e um retrato de família.

10 - E astronautas trouxeram muitos quilos da Lua pra cá

Se por um lado deixamos muita coisa por lá, os homens que na Lua estiveram também trouxeram bastante coisa para cá. É estimado que no total já removemos cerca de 380 quilos de materiais da Lua - entre 1969 e 1972, a Nasa trouxe 2.200 amostras separadas de diversos materiais, por exemplo.

11 - Estados Unidos chegaram antes, mas não são donos de nada

Os Estados Unidos foram os primeiros a pisarem na Lua, mas isso não dá direito a um território em nosso satélite para a nação, apesar da bandeira lá fincada. Em 1960, foi criado o Instituto Internacional para Leis Espaciais, que criou um tratado em 1967 proibindo que qualquer nação seja dona de planetas, estrelas ou outros objetos espaciais. O tratado também ordena que as explorações sejam feitas com fins pacíficos.

12 - Teremos 228 eclipses lunares neste século

Eclipses lunares são um dos eventos mais legais para a humanidade acompanhar envolvendo a Lua. Até por isso a Nasa já calculou todos os fenômenos do tipo que ocorrerão até 2100 - e só neste século serão 228.

13 - O diâmetro da Lua é quase o tamanho do comprimento da China

A Lua tem um diâmetro de 3.476 km, enquanto a China possui 3.530 km de diâmetro. Loucura, né?

14 - As manchas escuras da lua são chamadas de "maria"

Aquelas partes mais escuras da Lua têm um nome: "maria", que no latim significa "mares". Isso ocorre porque antigamente astrônomos pensavam que esses pontos eram corpos de água no nosso satélite. Agora, sabe-se que são piscinas de lava que se solidificou para formar basalto, que tem a cor mais escura.

15 - Uma réplica gigante da Lua viaja o mundo

O Museu da Lua é uma exibição itinerante feita pelo artista britânico Luke Jerram. E ele conta com uma réplica da Lua de 23 pés que viaja o mundo. A imagem usada para recriar o nosso satélite vem de uma câmera da Nasa. As datas do tour podem ser conferidas no site do museu.

Mais Astronomia