Topo

Japão terá um incrível rover para exploração lunar construído pela Toyota

Divulgação
Ilustração do rover lunar da Toyota Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

2019-03-13T14:47:50

13/03/2019 14h47

A Toyota, uma das maiores montadoras do mundo, e a agência espacial do Japão disseram nesta terça-feira (12) que vão cooperar no desenvolvimento de um veículo lunar tripulado que funciona com tecnologia de células de combustível.

Embora o Japão não tenha planos de fabricar um foguete tripulado capaz de levar as pessoas ao espaço, o veículo de exploração lunar poderá ser uma grande contribuição para um programa internacional de sondas espaciais no futuro, informou a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA).

O veículo "será um elemento importante de apoio à exploração lunar humana, que imaginamos que acontecerá nos anos 2030", disse o vice-presidente da JAXA, Koichi Wakata, em um simpósio em Tóquio.

Nosso objetivo é lançar um veículo no espaço em 2029

A intenção da parceria é acelerar os estudos para chegar a um robô tripulado, pressurizado (ou seja, os astronautas não precisam usar capacetes), que emprega tecnologias de veículos elétricos --os avanços nas tecnologias de combustíveis são fundamentais para tornar a exploração humana na superfície lunar (e marciana, vale dizer) possível.

O veículo lunar ainda está no estágio conceitual, mas uma ilustração mostrou um veículo de seis rodas, de 6 metros de comprimento, por 5,2 m de largura e 3,8 m de altura, que permite transportar duas pessoas (quatro pessoas em caso de emergência) e com capacidade de percorrer de mais de 10.000 km mesmo com a limitada de energia que se pode transportar para a Lua.

Com um jipe desses, os viajantes teria uma capacidade bem maior de explorar o território, o que aumentaria o potencial científico de qualquer missão.

"As células de combustível, que usam métodos de geração de energia limpa, emitem apenas água e, devido à sua alta densidade de energia, podem fornecer muita energia, tornando-as especialmente adequadas para o projeto", disse o vice-presidente executivo da Toyota, Shigeki Terashi. (Com Reuters)

Mais Ciência