PUBLICIDADE
Topo

Vivandeiras convocam atos na porta dos quartéis contra o Congresso e o STF

Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

17/04/2020 15h50

"O bolsonarista odeia o conhecimento quando este contradiz sua visão de mundo. Ele é como um motorista que anda na contramão na autoestrada e ouve no rádio que há um motorista na contramão e depois grita: `A mídia mente! Não é um motorista, são milhares!´" (trecho do editorial da agência alemã de notícias Deutsche Welle).

***

Vídeos que circulam nas redes sociais, com um soldado paramentado para a guerra, estão convocando atos em frente aos quartéis neste domingo, Dia do Exército, para pedir o fechamento do Congresso e do Judiciário.

Por coincidência ou não, o presidente Jair Bolsonaro tem falado a parlamentares sobre um suposto dossiê com informações de inteligência dando conta de que Rodrigo Maia, João Doria e setores do STF estariam tramando para dar um golpe e tirá-lo do governo, segundo a coluna "Painel" da Folha.

Em entrevista à CNN, depois do titubeante discurso da troca de ministros da Saúde, em que chegou a falar em "estado de sítio", o presidente partiu para o ataque contra Maia, com as mãos trêmulas, que me fizeram lembrar de Jânio Quadros nos dias que antecederam a renúncia.

Há algo estranho no ar neste fim de semana, como mostra a convocação para os atos de domingo, divulgados na página "Brasil, Pátria Livre do Comunismo", que agrega redes sociais dos bolsonaristas no Youtube.

Diz o texto que acompanha os vídeos:

"O momento é grave e só poderemos contar com as nossas Forças Armadas para fechar as instituições, o Congresso Nacional, o STF, o STJ, governos estaduais e municipais (...) conservando o cargo de presidente e seus ministros, que não estão podendo exercer os seus projetos de governo para o bem da nação brasileira".

Embora o governo do capitão esteja coalhado de generais, as alas mais radicais do bolsonarismo acham que ainda é pouco, e resolveram bater às portas dos quartéis.

Às vésperas do golpe de 1964, também houve essa movimentação de paisanos em busca do apoio dos fardados, o que levou o marechal Castello Branco a chamá-los de "vivandeiras" e fazer uma declaração que ficou célebre:

"Eu os identifico a todos. E são muitos deles os mesmos que, desde 1930, como vivandeiras alvoroçadas, vêm aos bivaques bolir com os granadeiros e provocar extravagâncias do poder militar".

O estranho nesta história repetida como farsa é que o poder militar já voltou a dar as cartas no Brasil, tendo à frente um tenente aposentado como capitão, depois de ser preso e processado por atos de insubordinação.

Por que marcar atos de protesto em frente aos quartéis, no Dia do Exército, em meio à pandemia de coronavírus que o governo não sabe como enfrentar?

Para entender o que se passa na cabeça dessa gente, vale ler outro trecho do editorial da Deutsche Welle sobre o atual momento do Brasil:

"O bolsonarismo assumiu agora todas as características de uma seita cujos membros estão dispostos a seguir seu líder incondicionalmente, até a morte. Esse culto à morte está se tornando cada vez mais evidente nas manifestações dos bolsonaristas. Um caixão é carregado alegremente; no meio de uma pandemia, expõe-se a si mesmo e a outros ao perigo de um contagio e se grita: "A Covid-19 pode vir. Estamos prontos para morrer pelo capitão".

A publicação alemã alerta que a extensão dessa irracionalidade é aterrorizante e ameaça arrastar o Brasil para o abismo. "Para a sua disseminação, há um motivo: o bolsonarismo. Esse nome se deve a um homem cujo livro favorito foi escrito por um torturador. Por conseguinte, o bolsonarismo tem correspondentes ideias para a sociedade: violentas, autoritárias, sem empatia, anti-intelectuais e pseudo-religiosas".

Uma coisa é certa: o bolsonarismo e a democracia são incompatíveis.

É por isso que, desde o início do seu mandato, Bolsonaro tem entrado em choque com os outros poderes e com a mídia, a quem responsabiliza pelos problemas enfrentados pelo país, ainda antes da pandemia.

A culpa nunca é dele.

Agora, para tornar ainda mais dramática essa confrontação, o país enfrenta uma crise sanitária sem precedentes, em meio à qual o presidente troca o ministro da Saúde, que defendia o isolamento social.

Hoje, ao dar posse ao novo ministro, o médico Nelson Teich, um empresário da saúde privada, Bolsonaro disse saber os riscos que está correndo ao defender a reabertura do comércio, antes do controle da pandemia.

Sim, e nós?

Preocupado apenas em garantir sua sobrevivência no governo _ com mais poderes, se possível _ o presidente coloca em risco a vida de 218 milhões de brasileiros expostos ao avanço do coronavírus.

O mundo inteiro já descobriu o perigo que estamos correndo com o bolsonarismo, em marcha acelerada para o caos na saúde pública.

Só faltava pedir ajuda aos quartéis. Certamente, para matar o vírus a bala.

Vida que segue.

Balaio do Kotscho