PUBLICIDADE
Topo

"Efeito Bolsonaro": sem governo nem oposição, o Brasil entra no ponto morto

E a boiada continua passando, sem porteiras, rumo à reeleição em 2022 - Reprodução
E a boiada continua passando, sem porteiras, rumo à reeleição em 2022 Imagem: Reprodução
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

13/10/2020 14h54

Até outro dia, os Três Poderes estavam em conflito aberto, a caminho de uma grave crise institucional.

Devotos do governo pediam o fechamento do Congresso e do STF em frente ao "Forte Apache", o QG do Exército em Brasília, em manifestação que contou com o apoio do presidente discursando na caçamba de uma camionete.

Como que por encanto, inimigos viraram amigos de infância de um dia para outro, num grande acordão, em repetidas confraternizações e declarações de amor.

O país entrou em ponto morto, com o poder entregue ao Centrão, agora dando as cartas no Congresso, e o STF trocando Celso de Mello pelo Kassio com "k", que vai ser aprovado pelo Senado a toque de caixa, para garantir a maioria da bancada do governo, exatamente como Trump está fazendo nos Estados Unidos.

Os filhos e os amigos agora podem dormir tranquilos.

Reina em todo território nacional neste momento a paz dos cemitérios. Sem governo, sem oposição e sem Judiciário independente, nada mais acontece de relevante para acordar o gigante adormecido.

Enquanto isso, na Sala da Justiça...

Para distrair a plateia, o noticiário é ocupado pelo traficante André do Rap, eminência do PCC, que o ministro Marco Aurélio mandou soltar e o presidente do STF, Luiz Fux, mandou prender de novo, depois que o perigoso elemento já havia fugido do país.

Tudo se normaliza rapidamente, tornando todas as anormalidades e barbaridades o "novo normal".

O repórter Diego Garcia revela hoje na Folha um estudo da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) realizada em parceria com o IRD (Instituto Francês de Pesquisa e Desenvolvimento), que identifica um "efeito Bolsonaro" na propagação da pandemia do coronavírus no Brasil.

Ao cruzar os dados sobre a expansão da doença com o resultado do primeiro turno das eleições presidenciais nos 5.570 municípios, o estudo encontrou uma correlação entre a preferência pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a expansão da covid-19.

Segue o baile

Para cada 10 pontos percentuais a mais de votos para Bolsonaro há um acréscimo de 11% no número de casos e de 12% no número de mortos.

Resultado: o país já conta com mais de 150 mil mortos e mais de 5 milhões de casos de contaminação pelo coronavírus, tornando-se o segundo país com mais vítimas no mundo, mas isso não causa nenhuma comoção.

Todo mundo vai mesmo morrer um dia, então não podemos fazer nada para evitar novas vítimas, porque a vida precisa voltar ao normal, sem o uso de máscaras nem distanciamento social, como quer o presidente.

No país movido por liminares, a lei é igual para todos, menos para os juízes que deveriam zelar por elas.

Cada juiz, uma sentença, eles fazem suas próprias leis.

Entre uma canetada e outra

Até ontem, o prefeito carioca Marcello Crivella, candidato à reeleição, era considerado inelegível pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Mas, com uma canetada o ministro Mauro Campbell Marques, do Tribunal Superior Eleitoral, derrubou a condenação do bispo nesta terça-feira.

O eleitor fica sem saber se pode ou não votar em Crivella porque amanhã outro juiz pode derrubar a liminar e, no fim, o caso vai parar no Supremo Tribunal Federal, o mesmo que mandou soltar e prender André do Rap, o megatraficante que deve estar indo muito disso tudo e dando uma banana para a Justiça, um retrato do Brasil.

É bem possível que esse processo continue rolando até depois das eleições.

Como chegamos a esse "efeito Bolsonaro", que hoje rege nossas vidas e mortes?

Ecos do passado recente

É preciso recuar a 2015, quando o então comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, procurou o cientista político Denis Rosenfield, um discreto articulador da direita, para pedir que o apresentasse ao vice-presidente Michel Temer (MDB), como revela hoje o Painel da Folha.

"Os militares estavam preocupados com o país", explicou Rosenfield, durante o lançamento do livro de Michel Temer, "A Escolha",

Foi então marcado um encontro sigiloso entre o general e o vice de Dilma Rousseff (PT), do qual participou também o chefe do Estado Maior, general Sergio Etchegoyen, que no ano seguinte se tornaria, por acaso, ministro de Michel Temer.

Candidamente, Temer disse ao Painel que "não havia a perspectiva de impedimento àquela altura" e o encontro seria apenas para eles se conhecerem melhor.

Que bonito! Poderia não haver ainda a "perspectiva", mas já havia o desejo comum.

Cadê a oposição?

Foi ali que se abriu a porta para a escalada de Jair Bolsonaro ao poder em 2018, com a prestativa colaboração do mesmo general Villas Boas, que usou todo seu poder no Twitter para ameaçar o STF e manter preso o ex-presidente Lula, que liderava as pesquisas.

Em todo esse enredo macabro, o grande ausente até agora é a oposição, que não dá um pio.

E a boiada continua passando, nas porteiras derrubadas na Amazônia, no Pantanal e no Estado de Direito, rumo à reeleição.

Vida que segue.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.