PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

Poderes discutem o que fazer com o presidente: Jair Bolsonaro é um estorvo

12.ago.2021 - O presidente Jair Bolsonaro com cocar indígena tira fotos na Praça dos Três Poderes, em Brasília - MATEUS BONOMI/AGIF/Estadão Conteúdo
12.ago.2021 - O presidente Jair Bolsonaro com cocar indígena tira fotos na Praça dos Três Poderes, em Brasília Imagem: MATEUS BONOMI/AGIF/Estadão Conteúdo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

19/08/2021 13h17

A situação que estamos vivendo faz lembrar aquelas reuniões familiares de domingo, quando se discute o que fazer com um parente problemático —se é o caso de interditá-lo, interná-lo num asilo ou num hospital, levá-lo para uma fazenda distante, qualquer coisa para que o estorvo pare de incomodar e prejudicar os outros.

Estorvo, segundo os dicionários, é aquilo que impede, embaraça a realização ou desenvolvimento de algo, um obstáculo.

O caso é mais grave quando esse parente é o presidente da República, que pode prejudicar um país inteiro.

Nos últimos dias, representantes dos três Poderes têm feito seguidas reuniões para discutir o que fazer com o presidente Bolsonaro.

Pelos relatos publicados na imprensa, estuda-se uma solução sem tirá-lo do cargo, o que poderia ser traumático, mas limitando suas ações ao mínimo necessário.

O presidente do Senado e o chefe da Casa Civil tentam convencer o presidente do STF a retomar a ideia de promover uma reunião com os chefes dos três Poderes para estabelecer um pacto de convivência e assim evitar novas crises.

Enquanto isso, o presidente passa a maior parte do seu tempo visitando instalações militares e templos, onde pede orações para enfrentar a inflação e o desemprego galopantes, com o dólar subindo e a Bolsa caindo. O temido mercado também já está tirando o time de campo.

Responsável por encontrar soluções menos místicas, não demorou para o ministro da Economia, o fracassado Paulo Guedes, responsabilizar o ex-presidente Lula pelo nervosismo do mercado e o temor dos investidores, porque o petista tem a ousadia de liderar todas as pesquisas presidenciais, cada vez aumentando mais a sua vantagem sobre Bolsonaro.

Todos eles sabem que é impossível controlar o presidente, a começar pelos generais palacianos, que o estimulam a fazer mais viagens pelo país, e assim criar menos problemas em Brasília.

Parece que conseguiram pelo menos demovê-lo da ideia de entregar pessoalmente ao presidente ao Senado o pedido de impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal.

Só se espera que Bolsonaro não convoque um novo desfile de tanques para um oficial fardado fazer esta entrega a Rodrigo Pacheco, o passador de pano oficial da República. Mas até ele já está perdendo a paciência com o presidente que insiste em atacar o STF.

Nesta semana, Pacheco alertou Bolsonaro publicamente que a discussão do impeachment de ministros do Supremo "não é recomendável no momento". A interlocutores, segundo a Folha, o senador disse que "ações incendiárias dificultarão ainda mais a vida do Planalto no Parlamento".

O problema é que o presidente busca exatamente o contrário: provocar cada vez mais conflitos para agradar à sua base enfurecida, que vem minguando, pesquisa a pesquisa. O novo levantamento do PoderData, divulgado hoje, mostra que a rejeição a Bolsonaro subiu para 64%. Só 28% ainda o apoiam.

"Bolsonaro está perdidinho", constatou o sábio cacique Gilberto Kassab, dono do PSD, ao final de uma reunião da "terceira via", na quarta-feira.

Quando se sentia nessa situação periclitante, o presidente João Figueiredo, último dos generais da ditadura militar, ameaçava "chamar o Pires" (Válter Pires, então ministro do Exército). Figueiredo se arrastou até o final do mandato, não chegou a chamar o Pires, mas deixou o Palácio do Planalto pela porta dos fundos.

Hoje, o capitão Bolsonaro não precisa nem chamar o general Braga, atual ministro da Defesa, que está sempre de prontidão para defender o presidente, em qualquer situação.

Ninguém mais sabe o que fazer com o estorvo do presidente, que, fora da realidade, só pensa na reeleição.

Me fez lembrar o generalíssimo Franco, aquele da Guerra Civil Espanhola. Quando já estava nas últimas, ao aparecer na sacada do palácio e ver a multidão acenando lenços brancos, perguntou:

"Para onde estão indo todos?".

Não quero ser pessimista, mas, pelo andar da carruagem, estamos todos indo para um buraco sem fundo.

Vida que segue.