PUBLICIDADE
Topo

Camilo Vannuchi

Em 'Por que sua esposa recebeu R$ 89 mil?', por que é junto ou separado?

O ex-assessor Fabrício Queiroz em confraternização com o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) - Reprodução
O ex-assessor Fabrício Queiroz em confraternização com o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) Imagem: Reprodução
Camilo Vannuchi

Camilo Vannuchi é jornalista e escritor com ênfase nos direitos humanos. É mestre e doutor em Ciências da Comunicação pela USP, onde integra o Grupo de Pesquisa Jornalismo, Direito e Liberdade, filiado à Escola de Comunicações e Artes e ao Instituto de Estudos Avançados. Foi membro da Comissão da Memória e Verdade da Prefeitura de São Paulo (2014-2016). Atuou como repórter e editor nas revistas IstoÉ e Época São Paulo e foi colunista no site da Carta Capital. É autor da biografia "Marisa Letícia Lula da Silva" (Alameda, 2020).

Colunista do UOL

28/08/2020 00h58

Queridas alunas e queridos alunos:

O ENEM foi adiado para janeiro e as aulas do segundo semestre continuam tão bagunçadas que nem dá para pensar em vestibular ou em recuperação numa hora dessas. Ainda assim, é bom não bobear nos estudos, principalmente na gramática e na redação. Já pensou passar vergonha nas redes sociais escrevendo errado nos posts?

Por este motivo, na aula de hoje nós vamos revisar uma lição muito importante: o uso correto de por que, porque, por quê e porquê. Cai na prova. Cai no vestibular. Cai no ENEM. Só não cai o presidente.

Para começar, tomemos como exemplo a seguinte frase: "Presidente, por que sua esposa, Michelle, recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?"

A primeira questão que se impõe é: isso está correto? Um ministro do TCU em pleno exercício de suas funções e um auditor fiscal da Receita Federal diriam que não. Mas um professor de português responderia que sim, está correto. No início de uma pergunta, "por que" deve ser grafado separado e sem acento sempre que a expressão puder ser substituída por outras como "por qual razão" e "por qual motivo".

Por qual razão Michelle recebeu R$ 89 mil de Queiroz? Por qual motivo Queiroz transferiu essa quantia para a senhora sua esposa?

Agora, se a mesma oração for escrita na ordem indireta e a pergunta for deixada no final, colada ao ponto de interrogação, então por quê deve ser acentuado:

Presidente, sua esposa recebeu R$ 89 mil de Queiroz por quê?

Já a resposta a essa pergunta deve ser grafada com uma única palavra: porque.

Porque ela quis.
Porque minha família pode tudo.
Porque a impunidade é lei para bandidos como eu.
Porque vocês ainda não descobriram os outros pagamentos.

Porque ainda não deu tempo de encher a tua boca de porrada.

Finalmente, porquê é junto e com acento quando exerce função de substantivo e significa o mesmo que motivo, razão, justificativa. Aí, é sempre necessário usar "o" ou "um" na frente. Existe um porquê para isso. Você poderia me contar o porquê?

Sinceramente, prefiro nem saber o porquê de minha esposa receber R$ 89 mil do Queiroz. E se você quiser saber o porquê, te mando pra ponta da praia, talquei?

PS: Quando você for comentar aqui embaixo reclamando do posicionamento deste colunista, comece sua frase com "porque o PT..." ou "porque o Lula...". Junto e acentuado. Não vá errar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.