PUBLICIDADE
Topo

Carolina Brígido

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Julgamento de Bolsonaro no TSE deve ter só um voto hoje e terminar quinta

Presidente Jair Bolsonaro -
Presidente Jair Bolsonaro
Carolina Brígido

Escreve sobre Judiciário, especialmente o STF, desde 2001. Participou da cobertura do mensalão, da Lava-Jato e dos principais julgamentos dos últimos anos. Foi repórter e analista do jornal "O Globo" de 2001 a 2021. Foi colunista a revista "Época" de 2019 a 2021.

Colunista do UOL

26/10/2021 14h44

O julgamento das duas ações que pedem a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão começará hoje com a expectativa de ser proferido apenas um voto: o do relator, Luís Felipe Salomão. Os outros seis ministros se manifestariam na quinta-feira. A intenção dos ministros é concluir a votação nesta semana, porque será a última do ministro Salomão no tribunal. Os integrantes da Corte têm mandato e o dele termina na sexta-feira.

A sessão começará às 19h com a leitura do relatório de Salomão, em que ele fará um resumo do processo. Haverá uma hora de sustentações orais, sendo 15 minutos para o PT, 30 minutos para serem divididos entre os advogados dos investigados e mais 15 para o vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet Branco.

Antes do voto de Salomão, os advogados levantarão questões preliminares - que, se forem aceitas, podem adiar o julgamento. Tanto o PT quando a defesa de Bolsonaro pediram a realização de novos depoimentos para instruir melhor o processo. A tendência é o tribunal negar esses pedidos e prosseguir o julgamento. O voto de Salomão tem cerca de 40 páginas.

A tendência é que o TSE absolva a chapa vitoriosa nas eleições de 2018. A acusação é de uso de disparos em massa de mensagens em redes sociais durante a campanha, prática que estava proibida na época. Segundo técnicos do tribunal, o PT não conseguiu comprovar que os disparos afetaram diretamente no resultado da eleição, ou mesmo que Bolsonaro sabia da prática.

Depois das eleições de 2018, chegaram ao TSE 15 ações contra a chapa Bolsonaro-Mourão. Até agora, nove foram arquivadas.