Topo

Coluna

Chico Alves


Após tentativa de censura a charge, Latuff será homenageado por policiais

Ilustração do artista Carlos Latuff que foi arrancada da exposição e quebrada - Ilustração do artista Carlos Latuff que foi arrancada da exposição e quebrada
Ilustração do artista Carlos Latuff que foi arrancada da exposição e quebrada Imagem: Ilustração do artista Carlos Latuff que foi arrancada da exposição e quebrada
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

27/11/2019 04h00

Depois de ver uma de suas charges retirada de exposição no Congresso e rasgada ao meio pelo deputado Coronel Tadeu (PSL-SP), o desenhista Carlos Latuff terá seu desagravo. O trabalho que gerou revolta no pesselista retratava um jovem negro e algemado morto a tiros, vestindo camisa com estampa da bandeira nacional, enquanto um policial militar se afastava, de arma em punho. Para Tadeu, a charge seria uma ofensa à polícia. Ironicamente, o desagravo a Latuff virá justamente de policiais, que vão homenageá-lo em evento no Rio de Janeiro, amanhã.

O desenhista foi convidado a participar do II Congresso Nacional dos Policiais Antifascismo, que será realizado na Associação Brasileira de Imprensa. Um dos organizadores, o delegado Orlando Zaccone explica à coluna o motivo da homenagem: "Queremos rebater a fala do deputado do PSL e mostrar que a obra do Latuff não nos ofende. Nós, policiais antifascismo, entendemos que a charge contém uma crítica ao sistema de segurança operado pelo poder político e jurídico. Quem define a política de segurança não são os agentes, mas esse poder".

Para Zaccone, o mesmo agente de segurança que pratica a truculência é também vítima. "Muitas vezes a definição dessa forma de atuar militarizada, esse genocídio da população negra, que é alvo da crítica do Latuff, também agride o próprio policial, que é jogado num ambiente muito cruel, em que expõe a própria vida", analisa o delegado. "Além disso, o fato de ele exercer funções letais faz com que fique em condição muito ruim na sua saúde mental. Ninguém fica bem no meio de uma guerra"

Latuff foi convidado a participar de uma mesa de debates cujo tema é "Como construir a luta antifascismo no Brasil". O congresso vai até sexta-feira, tendo como marca o diálogo dos operadores da segurança pública com os movimentos sociais.

"A ideia de que o policial é o responsável pelas ações violentas, e não o modelo político que lhe é imposto, é uma visão presente entre grupos de esquerda", diz Zaccone. "Por isso procuramos mostrar o policial como trabalhador e que a ele são impostas essas funções genocidas do estado".

A retirada e a destruição da charge de Latuff, no dia 19, causou reação dos deputados de esquerda, que foram à tribuna reclamar com discursos emocionados. O próprio presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), repreendeu Tadeu pela atitude. "Ele pode achar o que quiser", disse Latuff, em entrevista à coluna. "O que não se pode é impedir que as pessoas tirem as suas conclusões, retirando a charge da exposição".

Na ocasião, o cartunista disse que "se estamos mesmo em uma democracia, que isso não seja admitido". Felizmente, a charge foi reposta no dia seguinte.

Chico Alves