PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Carta imaginária de um ex-juiz aos amotinados do Ceará

PMs amotinados e familiares no 18° BPM do bairro Antonio Bezerra, em Fortaleza, uma das unidades com concentração de PMs em motim essa semana no Ceará - Maristela Crispim/Folhapress
PMs amotinados e familiares no 18° BPM do bairro Antonio Bezerra, em Fortaleza, uma das unidades com concentração de PMs em motim essa semana no Ceará Imagem: Maristela Crispim/Folhapress
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

01/03/2020 04h00

Caríssimos senhores policiais amotinados:

Antes de mais nada, gostaria de manifestar meu mais profundo apreço por vossas senhorias. Apesar de permanecerem há vários dias sem cumprir a tarefa para a qual ingressaram na PM, sei que são profissionais dedicados.

Mesmo agindo de forma assemelhada a facções de presídios, escondendo o rosto sob balaclavas, atacando as viaturas de seus colegas que insistem em trabalhar e incendiando o patrimônio de quem os critica, reconheço que têm que ser valorizados.

Sei muito bem que querem cumprir a lei e não violá-la. Apesar disso, uns governadores me pediram para transmitir a seguinte mensagem: a paralisação é ilegal. Não sou eu que o digo, mas um livro de regras editado em 1988 que nos obrigam a seguir.

Compreendo que pretendam melhorar a remuneração, apesar de terem salário que equivale ao dobro do que recebem os homens da Força Nacional de Segurança. Mas quem tem a responsabilidade de resolver o problema é o estado do Ceará, não a União federal. Torço de longe pelo desfecho.

Os soldados que mandei ao Ceará não irão incomodá-los. Dei ordens expressas para que tratem somente do policiamento das ruas.

Mas, caso não saibam, informo que a paralisação é ilegal, não deveria ser feita e deve ser interrompida o mais brevemente possível.

Apesar disso, divido com vocês uma convicção. Acho que o policial não pode ser tratado de maneira nenhuma como um criminoso. Mesmo que cometa crimes, como acontece agora.

Concordam?

Tenho certeza de que tudo se resolverá em breve. Torço para que efeitos colaterais do movimento, como a ocorrência de um homicídio por hora, a onda de assaltos aos cidadãos e a invasão de uma escola por parte dos policiais, sejam superados logo.

Aqui me despeço, colocando-me à disposição.

Atenciosamente,

Um ex-juiz

Chico Alves