PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Fuga em vão: Weintraub terá que voltar ao Brasil se entrar no Banco Mundial

11.fev.2020 - O então ministro da Educação, Abraham Weintraub, falando à comissão do Senado sobre problemas na correção das provas do Enem - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
11.fev.2020 - O então ministro da Educação, Abraham Weintraub, falando à comissão do Senado sobre problemas na correção das provas do Enem Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

24/06/2020 04h00

Pouca gente entendeu o motivo da escapada cinematográfica do ex-ministro Abraham Weintraub para os Estados Unidos, na sexta-feira 19. "Ele estava fugindo de alguém?", questionou ontem aos jornalistas o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ninguém sabe responder esta pergunta, mas uma coisa é certa: se estava realmente em fuga, Weintraub correu à toa.

Caso alcance o objetivo de ocupar uma das diretorias do Banco Mundial, ele terá que retornar ao Brasil. Qualquer que tenha sido a alegação usada para ingressar em território americano, sabe-se que ele não tem o visto G, apropriado para autoridades que atuam em órgãos internacionais. Para resolver esse problema, terá que voltar ao país.

A solução desse impasse ainda demora, já que o processo de aprovação ao cargo por parte dos oito países do grupo leva normalmente quatro semanas. Mas se conseguir seu intento, o ex-ministro não terá como evitar esse retorno.

Apesar de muitas críticas tanto à atuação de Weintraub à frente do Ministério da Educação quanto à forma confusa de ingresso nos Estados Unidos, dificilmente ele será rejeitado.

Otaviano Canuto, que por cinco anos ocupou o cargo que o ex-ministro almeja, explicou à coluna quais as qualidades necessárias para desempenhar um bom trabalho. "A posição requer capacidade técnica de análise de projetos e programas e habilidade diplomática", diz ele.

Na sua opinião, o objetivo de quem ocupa o posto é "obter o máximo dos interesses dos países do grupo em relação ao que querem do Banco, sem perder de vista os objetivos da instituição como um todo e buscando alavancagem para os menos de 4% de capital do Banco que representa".

Chico Alves