PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

TCU critica governo por falta de testagem, que poderia orientar lockdown

Tribunal de Contas da União - TCU - Sergio Lima/Folhapress
Tribunal de Contas da União - TCU Imagem: Sergio Lima/Folhapress
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

15/04/2021 13h00

Entre outros petardos, o relatório produzido pelos técnicos do Tribunal de Contas da União sobre a atuação do governo no enfrentamento à pandemia, apresentado ontem pelo ministro Benjamin Zymler, revela que o Ministério da Saúde não tem política de testagem, como seria recomendável. "A distribuição de testes não obedece a nenhum critério", informa o texto.

Segundo análise dos técnicos, entre outros benefícios, um plano desse tipo ajudaria a orientar aplicação de medidas de lockdown, restringindo a área geográfica e reduzindo os prejuízos econômicos dessa iniciativa, tão criticados pelo presidente Jair Bolsonaro.

O relator Zymler sugere que seja aberta investigação sobre omissão dos gestores quanto à política de testagem no combate à pandemia.

Em novembro, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que o Ministério da Saúde tinha em depósito cerca de 6,8 milhões de testes RT-PCR perto de vencer. A validade dos lotes foi renovada por mais 4 meses, mas ainda há em estoque 2,8 milhões de testes. A pasta conseguiu que o fabricante faça a troca dos itens vencidos. No entanto, nenhuma política efetiva de testagem foi anunciada pelo governo.

Entre outras outas observações, os técnicos do TCU constataram também que, mesmo diante do risco que representa o aparecimento de novas variantes do coronavírus, o Ministério da Saúde não faz o trabalho de sequenciamento genético necessário para identificar possíveis mutações e providenciar ações sanitárias. A variante P1, surgida em Manaus, é hoje predominante no país.

A título de comparação, o relatório informa que o Reino Unido faz 99 mil análises por semana, enquanto o Brasil fez apenas 5 mil procedimentos desse tipo desde o início da pandemia até agora.

Outra crítica do relatório é que a proposta de Orçamento para 2021, aprovada no Congresso, não tem dotação de recursos para o combate à pandemia.

Como a coluna mostrou, as conclusões do ministro Benjamin Zymler e os dados técnicos levantados pelo TCU servirão de munição para os integrantes da CPI da Covid, que teve sua criação confirmada ontem pelo Supremo Tribunal Federal.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL