PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

De olho na eleição, Bolsonaro traiu o Verdão na Libertadores e se deu mal

Presidente Jair Bolsonaro, no estádio Mané Garrincha, com a camisa do Flamengo - Edu Andrade/FatoPress/Estadão Conteúdo
Presidente Jair Bolsonaro, no estádio Mané Garrincha, com a camisa do Flamengo Imagem: Edu Andrade/FatoPress/Estadão Conteúdo
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

27/11/2021 20h42

Não é raro que governantes queiram tirar casquinha quando seleções e times de futebol do Brasil participam de decisões internacionais. São comuns tentativas de colar a imagem de presidentes ao selecionado canarinho, como aconteceu com o ditador Emílio Garrastazu Médici na recepção aos tricampeões mundiais de 1970.

Conquistas na Libertadores e no Campeonato Mundial de Clubes também motivam políticos a tirar casquinha. Quem se lembra do governador fluminense Wilson Witzel ridiculamente ajoelhado no campo do estádio peruano aos pés de Gabigol - e solenemente desprezado -, após o título continental, conquistado pelo Flamengo em 2019?

Na decisão de hoje, o esperado era que o presidente Jair Bolsonaro, que torce pelo Palmeiras, estivesse na corrente a favor do Verdão. O cálculo político, no entanto, se sobrepôs ao esportivo. De olho na campanha pela reeleição, Bolsonaro traiu seu time do coração e declarou apoio ao clube de maior torcida do país, cuja diretoria é simpática a seu governo.

"Amanhã somos todos Flamengo", disse ontem o presidente na cerimônia de aniversário da Brigada de Infantaria Paraquedista.

Consta que a declaração irritou torcedores, diretores e jogadores palmeirenses.

Hoje, após o apito final, quando o Palmeiras conquistou o seu terceiro título da Libertadores da América, as redes sociais foram inundadas por memes em que Bolsonaro foi comparado a Mick Jagger, um reconhecido pé frio.

De quebra, revelou aos palmeirenses que não tem a menor fidelidade ao clube paulista.

Também no futebol, Bolsonaro troca de camisa como troca de partido.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL