PUBLICIDADE
Topo

Entendendo Bolsonaro

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

CPI e múltiplas crises fazem Bolsonaro 'pedir para sair'

15.set.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante evento no Palácio do Planalto, em Brasília - Adriano Machado/Reuters
15.set.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante evento no Palácio do Planalto, em Brasília Imagem: Adriano Machado/Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes
Entendendo Bolsonaro

Esta é uma coluna coletiva que pretende contribuir, sob diversos olhares ? da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia ?, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Colunista do UOL

20/10/2021 13h13

* Cesar Calejon

"Pede pra sair", a frase que foi eternizada pelo filme Tropa de Elite, no qual o personagem Capitão Nascimento constrange, tortura e abusa moralmente dos candidatos a ingressarem no Batalhão de Operações Especiais (BOPE), com dedos cortados, tapas na orelha e todos os tipos de humilhação, parece ser ideal para compreender o atual momento emocional do presidente Jair Bolsonaro.

Acuado pelo relatório final da CPI, no qual ele e boa parte de sua família deverão ser indiciados por uma série de crimes considerando a condução do governo federal durante a pandemia, e por uma crise econômica que vem promovendo um verdadeiro colapso social, Jair Bolsonaro oferece claras demonstrações públicas de que está com muito medo de deixar o Planalto e ser preso.

Na semana passada, ele afirmou que com frequência "chora no banho" e que a primeira-dama Michelle sequer sabe, porque o percebe como o "machão dos machões". Esta semana, demonstrando visível fragilidade psíquica, Bolsonaro afirmou: "o tempo todo eu sou responsável por tudo, se é assim, ache um cara melhor, sem problema nenhum". Essas não foram as primeiras vezes que ele evidenciou questões dessa natureza, mas essas manifestações estão se tornando mais frequentes com a mesma proporção que se fecha o cerco sobre a sua administração.

Sem problema para quem? Após criar uma sindemia no Brasil e ser responsável por catalisar a morte de mais de 600 mil brasileiras e brasileiros não será assim tão fácil se livrar das consequências.

Apesar da sua fragilidade e covardia frente aos desafios que se apresentam, ironicamente, Jair Bolsonaro (e toda uma gama de parlamentares) se elegeu, em alguma medida, com base na mitologia do Capitão Nascimento: um militar extremamente duro e honesto que luta sozinho contra o sistema dos políticos corruptos.

Entre os anos de 2007 e 2010, os dois filmes da sequência Tropa de Elite, do cineasta José Padilha, contribuíram decisivamente para reforçar essa narrativa no imaginário popular, além de estimular uma ode ao anti-intelectualismo sobre a qual o bolsonarismo floresceu.

Em novembro de 2010, o filme de Padilha (Tropa de Elite 2) atingiu a marca dos dez milhões de espectadores e sagrou-se o mais visto daquele ano no Brasil, entre longas nacionais e internacionais. Um dos maiores sucessos de público e crítica do país em todos os tempos. "É milagroso", disse Padilha ao portal G1.

Milagrosa é a solução mágica que Jair Bolsonaro agora espera para se livrar de todos os crimes que lhe serão acusados pela leitura do relatório final da CPI. Essa semana, o Brasil inteiro se emocionou com os depoimentos de pessoas que, ao perderam os seus entes queridos para a covid-19, ainda tiveram que ouvir diversos deboches da principal figura pública do país.

Além disso, toda a degradação econômica, com a inflação, volta da fome e da miséria, altas ininterruptas dos combustíveis, escândalos de corrupção e possíveis greves dos caminhoneiros, crises entre os níveis federativos e os poderes da República assombram o presidente de forma a fazê-lo sentir saudade dos tempos quando ele era apenas um deputado folclórico do baixo clero parasitando o Estado brasileiro.

De qualquer forma, esse tempo passou e o bolsonarismo enfrenta hoje as consequências da tempestade perfeita que ajudou a fomentar. Nesse sentido, a postura de Bolsonaro evidencia que ser corajoso e "machão" quando todos os ventos estão a seu favor é extremamente simples. O problema começa quando se é necessário mostrar força e determinação em momentos de real adversidade. Nesses casos, o "machão dos machões" chora durante o banho, receando aquilo que não pode evitar: o momento de prestar contas finalmente chegou.

* Cesar Calejon é jornalista, com especialização em Relações Internacionais pela FGV e mestrando em Mudança Social e Participação Política pela USP (EACH). É escritor, autor dos livros A Ascensão do Bolsonarismo no Brasil do Século XXI (Kotter) e Tempestade Perfeita: o bolsonarismo e a sindemia covid-19 no Brasil (Contracorrente).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL