PUBLICIDADE
Topo

Comissão Arns

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A Comissão Arns recebe com profunda emoção a morte do poeta da esperança

14.set.2014 - O poeta brasileiro Thiago de Mello participa de um debate na sede da Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal), no Chile - Sebastián Silva/EFE
14.set.2014 - O poeta brasileiro Thiago de Mello participa de um debate na sede da Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal), no Chile Imagem: Sebastián Silva/EFE
Comissão Arns

Ailton Krenak (líder indígena e ambientalista), André Singer (cientista político e jornalista), Antônio Cláudio Mariz de Oliveira (advogado, ex?presidente da OAB-SP), Belisário dos Santos Jr. (advogado, membro da Comissão Internacional de Juristas), Cláudia Costin (professora universitária, ex-ministra da Administração), Fábio Konder Comparato (advogado, doutor Honoris Causada Universidade de Coimbra, professor emérito da Faculdade de Direito da USP), José Carlos Dias (advogado, ex-ministro da Justiça), José Gregori (advogado, ex-ministro da Justiça), José Vicente (reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares), Laura Greenhalgh (jornalista), Luiz Carlos Bresser-Pereira (economista, ex-ministro da Fazenda, da Administração e da Reforma do Estado), Luiz Felipe de Alencastro (historiador, professor da Escola de Economia da FGV/SP e professor emérito da Sorbonne Université), Margarida Bulhões Pedreira Genevois (presidente de honra da Comissão Arns, ex-presidente da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo), Maria Hermínia Tavares de Almeida (cientista política, professora titular da Universidade de São Paulo), Maria Victoria Benevides (socióloga e cientista política, professora titular da Faculdade de Educação da USP), Oscar Vilhena Vieira (jurista, professor da Faculdade de Direito da FGV/SP), Paulo Vannuchi (jornalista, cientista político, ex-ministro de Direitos Humanos), Paulo Sérgio Pinheiro (presidente da Comissão Arns, cientista político, ex-ministro da Secretaria de Estado de Direitos Humanos), Sueli Carneiro (filósofa, feminista, ativista anti-racista e diretora do Gelidés), Vladimir Safatle (filósofo, professor do Departamento de Filosofia da USP)

17/01/2022 17h18

Faz escuro mas eu canto
Porque a manhã vai chegar

Thiago de Mello, após ser afastado do cargo diplomático de adido cultural no Chile, durante a ditadura militar, por abrigar refugiados brasileiros em sua casa, voltou ao Brasil, sendo imediatamente preso. Diz a lenda que encontrou desenhado nas paredes da cela seu verso mais famoso, que animou toda uma geração a fazer frente ao autoritarismo. Teve então a certeza de que sua palavra movia e acalentava os que resistiam.

Poeta da esperança, trazia em seus versos a imagem do menino, a ideia da primavera e a necessidade da alegria.

Fica decretado que, a partir deste instante,
haverá girassóis em todas as janelas,
que os girassóis terão direito
a abrir-se dentro da sombra;
e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,
abertas para o verde onde cresce a esperança.

Vem-me agora à ideia o menino de vinte anos que, chamado à casa do amigo assassinado pelo regime militar, escolheu entre os seus livros, exatamente "Faz escuro, mas eu canto"... Ainda o manuseio de quando em vez, sempre emocionado, com o cuidado de quem tem nas mãos um papiro precioso, agora aberto na homenagem à vida verdadeira:

Vida que não se guarda, nem se esquiva, assustada, Vida sempre a serviço da vida.
Para servir ao que vale a pena e o preço do amor.

Thiago celebrava sempre o amor, mas tinha uma palavra de alerta aos que se esqueciam que o amor não é propriedade, não é fato consumado, mas antes o exercício constante de pequenos gestos verdadeiros.

Chega um dia em que o dia se termina
Antes que a noite caia inteiramente
Chega um dia em que a mão, já no caminho,
De repente se esquece do seu gesto.
Chega um dia em que o amor, que era infinito,
De repente se acaba, de repente.
Força é saber amar doce e constante
Com o encanto de rosa alta na haste,

Para que o amor ferido não se acabe
Na eternidade amarga de um instante.

Nunca se esqueçam, decretou o poeta:
Nunca amar sem amor!

Poeta da mudança concreta, da luta pelos direitos humanos e pelo meio ambiente, da necessidade de bater a injustiça, convocava:

Vem ver comigo, companheiro,
a cor do mundo mudar.
Vale a pena não dormir para esperar
a cor do mundo mudar.

A poesia de Thiago de Mello não era gratuita, era sempre, como diz o título de um livro seu, "poesia comprometida com a minha vida e a tua vida".

Eu me pego pensando por um segundo se, algum dia, Dom Paulo Evaristo Arns e Thiago de Mello trocaram ideias, abraços, profetas da esperança e da palavra que eram. Talvez não. Mas a ideia matriz da esperança que pregaram nos incendiou a todos os defensores de direito,s tornando-nos e tornando-os irmãos, animando a todos a seguir incansáveis na ideia de criar o homem novo.

Falando sempre na alegoria do menino, rodando e cantando, Thiago de Mello parece temer:

O canto desse menino
Talvez tenha sido em vão
Mas ele fez o que pôde
Fez sobretudo o que sempre lhe mandava o coração...

Mas dúvida alguma tinha sobre a valia da poesia, justo ele que sabia da força arrebatadora da palavra, do convencimento, do verso, e que pôs em poema a canção da rebeldia

Que existe nos fonemas da alegria:
Canção de amor geral que eu vi crescer
Nos olhos do homem que aprendeu a ler.

Thiago de Mello se foi, durante a madrugada, dormindo, mas nos deixou o mote, a esperança, a garra de lutar por essa ideia que assusta o medo, que varre o escuro, que recupera a alegria e que dá sentido à vida, aprendizes todos da certeza de que:

A manhã vai chegar.

Belisário dos Santos Jr. é membro fundador da Comissão Arns, membro da Comissão Internacional de Juristas, ex-secretário de Justiça do Estado de São Paulo.