Topo

Constança Rezende


"Se Bolsonaro sair do partido, eu saio também", diz deputado do PSL

Deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ), vice-líder do governo - Divulgação/Câmara dos Deputados
Deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ), vice-líder do governo Imagem: Divulgação/Câmara dos Deputados
Constança Rezende

É colunista do UOL em Brasília. Passou pelas redações do Estadão no Rio de Janeiro, O DIA e Jornal do Commercio.

Colunista do UOL

11/11/2019 17h38

O deputado Carlos Jordy (PSL-RJ) disse que, se o presidente Jair Bolsonaro resolver deixar o partido, ele sai também. A afirmação foi dada ao UOL, após o deputado ser questionado sobre a reunião que será realizada nesta terça-feira (12), com o presidente e integrantes do partido.

Nos bastidores, circula a informação de que Bolsonaro marcou o encontro, que será realizado no Palácio do Planalto, para anunciar que deixará a sigla.

Jordy disse que, se essa for a decisão do presidente, ele a acompanhará. Afirmou também que "grande parte" dos parlamentares do partido está disposta a fazer o mesmo.

Porém, alguns parlamentares estariam receosos em deixar a sigla, preocupados com as eleições do ano que vem. O medo é que a decisão tome fundo partidário e tempo de televisão para a campanha.

Estes, segundo parlamentares ouvidos pelo UOL, devem permanecer no PSL e alegar que ficarão na sigla "sendo Bolsonaro".

Os parlamentares da ala ligada ao presidente do partido, Luciano Bivar, não foram convidados para o encontro, como os deputados Delegado Waldir (GO), Joice Hasselmann (SP), Júnior Bozzella, Julian Lemos (PB) e Heitor Freire (CE).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.