PUBLICIDADE
Topo

Apoio de Bolsonaro a ato suprime debate sobre alta do dólar e motim da PM

O presidente Jair Bolsonaro conversa com jornalistas após cumprimentar simpatizantes na portaria do Palácio da Alvorada - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro conversa com jornalistas após cumprimentar simpatizantes na portaria do Palácio da Alvorada Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Constança Rezende

É colunista do UOL em Brasília. Passou pelas redações do Estadão no Rio de Janeiro, O DIA e Jornal do Commercio.

Colunista do UOL

01/03/2020 04h00

O debate em torno do apoio do presidente Jair Bolsonaro às manifestações anti-Congresso serviu para suprimir a repercussão de outras pautas polêmicas do governo, como a alta do dólar ou o motim de policiais militares no Ceará.

Foi o que concluiu o levantamento da consultoria de dados Arquimedes que analisou, entre os dias 25 e o 28, até meio-dia, 720.167 publicações no Twitter sobre Bolsonaro e o envio de vídeos pelo presidente convocando a população para ir às ruas defendê-lo.

Os dados sugerem que a pauta em torno do vídeo dominou boa parte do debate público, abafando outras polêmicas que vinham sendo discutidas nas redes nos dias anteriores. Nesta sexta, por exemplo, o dólar comercial fechou o dia cotado a R$ 4,481 na venda, batendo outro recorde nominal (sem considerar a inflação).

Segundo a consultoria, no Facebook, as publicações sobre as manifestações do dia 15 de março alcançaram aproximadamente 4,5 milhões de interações.

Já os posts sobre a alta do dólar ou a queda da bolsa obtiveram pouco mais de 500 mil interações, ambos no período de 25 a 28 até o meio-dia.

Os dados ainda revelam que a direita bolsonarista (39,37% das publicações) aproveitou a atenção para divulgar e convocar a população à manifestação, criticando seus detratores.

"O resultado mostrou a polarização das redes, encontrada em diversos outros momentos delicados desde o início do governo. Nessas ocasiões, há pouca presença de grupos "moderados", tornando as discussões reduzidas a seus grupos fechados", diz o analista e fundador da Arquimedes, Pedro Bruzzi.

Nos bastidores, há quem diga que a cúpula do Congresso decidiu evitar um embate público sobre o apoio do presidente ao ato para não insuflar as manifestações, nem ampliar ataques ao Congresso.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), não se manifestou publicamente sobre o assunto. Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), publicou uma mensagem amena, sem citar Bolsonaro, afirmando que "criar tensão institucional não ajuda o país a evoluir".

A mensagem frustrou políticos da esquerda, que esperavam uma resposta mais dura do Congresso ao presidente.