PUBLICIDADE
Topo

Ministério Público no TCU pede suspensão de nova contagem da covid-19

29.mai.2020 - Usando EPI, agentes do serviço funerário fazem sepultamento em cova rasa no Cemitério do Caju, no Rio de Janeiro - Allan Carvalho/AGIF/Estadão Conteúdo
29.mai.2020 - Usando EPI, agentes do serviço funerário fazem sepultamento em cova rasa no Cemitério do Caju, no Rio de Janeiro Imagem: Allan Carvalho/AGIF/Estadão Conteúdo
Constança Rezende

É colunista do UOL em Brasília. Passou pelas redações do Estadão no Rio de Janeiro, O DIA e Jornal do Commercio.

Colunista do UOL

08/06/2020 15h25

O Ministério Público no TCU (Tribunal de Contas da União) entrou com uma representação pedindo a suspensão imediata da nova metodologia de divulgação dos dados do coronavírus pelo Ministério da Saúde.

O objetivo do pedido, segundo o subprocurador Geral, Lucas Rocha Furtado, é garantir a continuidade da divulgação ampla e irrestrita dessas informações à sociedade.

Furtado argumentou que "o chamado apagão das informações advindo das restrições dos dados", além de ocultar o cenário preocupante que o país está vivendo, dificulta o trabalho da imprensa como agente social de uma sociedade democrática.

"Especialmente no caso da covid-19, é certo que a dificuldade de acesso aos dados dificulta o combate ao novo coronavírus. Nesse momento em que a saúde dos brasileiros precisa ser colocada em prioridade, informação disponível e segura é uma forma de prevenção", disse.

O subprocurador também sugere uma atuação conjunta com os tribunais de contas estaduais e municipais para que os entes federativos (União, estados, Distrito Federal e municípios) repassem à Corte de Contas competente dados em tempo real sobre o impacto do novo coronavírus. Com este envio, o Tribunal de Contas da União faria uma compilação dos dados, segundo o subprocurador.

"Quanto mais a sociedade for munida de informações, mais a sociedade estará consciente para adotar medidas diligentes. Por outro lado, quanto mais informações tivermos, as possíveis flexibilizações da quarentena poderão ser motivadas com segurança", disse.