PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Diogo Schelp


Bolsonaro transformou Brasil em 'pária da pandemia', diz revista americana

Casos de covid-19 crescem no Brasil - Getty Images
Casos de covid-19 crescem no Brasil Imagem: Getty Images
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

07/07/2020 11h52

A revista americana Foreign Affairs, uma das mais influentes na área de relações internacionais, publicou nesta terça-feira (7) em sua página na internet uma reportagem com o título "Bolsonaro transformou o Brasil em pária da pandemia". O subtítulo pergunta: "Os líderes locais conseguirão restaurar a reputação do país como liderança em saúde?" O texto é assinado pela jornalista Catherine Osborn, baseada no Rio de Janeiro.

É raro o Brasil obter tal destaque (manchete principal do site) em uma publicação especializada em assuntos internacionais. Infelizmente, dessa vez foi por um motivo ruim.

O argumento do texto é que, por possuir um sistema de saúde com uma abrangência invejável como é o SUS, o Brasil era invejado mundialmente, mas tornou-se "um pária" porque o presidente Jair Bolsonaro promoveu uma campanha de desinformação contra as medidas de distanciamento social e minou a cooperação internacional em saúde.

Mas há uma pitada de otimismo na reportagem da Foreign Affairs: a atuação de governadores e prefeitos pode fazer o SUS "sobreviver" a Bolsonaro, possivelmente permitindo ao Brasil recuperar a admiração internacional e a liderança em diplomacia em saúde global.

Foi a iniciativa do Brasil na resposta à Aids, por exemplo, que levou a um entendimento internacional para garantir remédios a preços acessíveis em situação de emergência. O legado ficou: esse mesmo princípio está sendo aplicado agora por outros países para tratamentos contra a covid-19.

Como disse Deisy Ventura, especialista em Saúde Global da Universidade de São Paulo (USP) e presidente da Associação Brasileira de Relações Internacionais, em entrevista a esta coluna: "A carnificina ocorrida aqui continuará repercutindo no plano global, com o dano adicional de que não se pode mais confiar no Estado brasileiro."

Não bastasse todo o sofrimento que a pandemia tem causado nos lares brasileiros, ainda será preciso, no futuro, recuperar a credibilidade internacional do país.

Diogo Schelp