PUBLICIDADE
Topo

Diogo Schelp

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Casos de covid-19 no mundo voltam a subir, 'puxados' pelo Brasil

Brasil registra recordes diários de novos casos e mortes por covid-19 - Reprodução
Brasil registra recordes diários de novos casos e mortes por covid-19 Imagem: Reprodução
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

03/03/2021 12h18

A tendência de queda no número de novos casos de covid-19 no mundo, verificada desde meados de janeiro, foi interrompida na última semana de fevereiro devido, principalmente, à alta registrada no Brasil. Ou seja, a piora da pandemia no Brasil foi o fator que mais contribuiu para que o número de novos casos confirmados da doença no mundo voltasse a subir, depois de um mês de forte redução.

Segundo os gráficos do site Our World in Data, que usa as estatísticas compiladas pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, a média diária de novos casos de pacientes infectados pelo novo coronavírus cresceu de maneira acentuada desde final de dezembro até o dia 11 de janeiro, quando atingiu o pico de toda a pandemia, com quase 740.000 novos casos diários registrados na média móvel de sete dias.

A partir daí, a pandemia desacelerou, com o número de novos casos no mundo caindo drasticamente durante pouco mais de um mês. Na última semana de fevereiro, porém, verificou-se uma nova tendência de alta mundial, com um crescimento de 6,6% no total de novos casos em comparação com a semana anterior.

Os números brasileiros foram os que mais impactaram na alta mundial no período — e portanto, na reversão da tendência de queda.

Entre os dias 21 e 27 de fevereiro, o Brasil foi responsável por nada menos do que 43% do crescimento mundial no número de pacientes com covid-19. A soma dos dados de Itália, Polônia, Turquia, Índia, Argentina, França, Alemanha, Hungria, Bélgica e Áustria representou 32% no aumento de novos casos diários registrado no período.

Ou seja, nenhum país contribuiu tanto para reverter a tendência de desaceleração da pandemia no mundo quanto o Brasil. Os dados dos Estados Unidos no período continuaram em queda. A continuar nesse ritmo, nas próximas semanas o Brasil vai superar os Estados Unidos em total de novos casos diários.

Na última semana de fevereiro, o Brasil registrou 14% dos novos casos de covid-19 no mundo. A participação brasileira nesse total vem crescendo consistentemente desde novembro do ano passado, quando esteve abaixo de 5%, como se pode verificar no gráfico elaborado para a coluna por Fernando Nascimento, consultor da Fundação Instituto de Administração (FIA) e professor de métodos quantitativos do ESE - Escola Superior de Empreendedorismo do Sebrae-SP.

O gráfico (veja abaixo) compara a evolução de novos casos de covid-19 registrados a cada semana no mundo (representada pelas barras) com os altos e baixos da participação brasileira em cada período de sete dias (linha cinza).

Participação do Brasil no total semanal de novos casos por covid-19 no mundo - Fernando Nascimento/Divulgação/UOL - Fernando Nascimento/Divulgação/UOL
Participação do Brasil no total semanal de novos casos por covid-19 no mundo. Fonte: Our World in Data
Imagem: Fernando Nascimento/Divulgação/UOL

A participação dos casos brasileiros no total mundial foi maior nos meses de maio e junho do ano passado e caiu à medida que houve um aumento significativo no número de pacientes com covid-19 no resto do mundo.

O que se verifica agora é o inverso. Nas últimas semanas, quando a tendência no mundo era de redução de novos casos, a participação do Brasil no total mundial cresceu, alavancada pelas altas taxas de contaminação dentro do país.

Nesse período, nenhum país contribuiu tanto quanto o Brasil para piorar as estatísticas mundiais da pandemia.