PUBLICIDADE
Topo

Felipe Moura Brasil

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bolsonaro finge representar evangélicos

só para assinantes
Felipe Moura Brasil

Felipe Moura Brasil é âncora da BandNews FM e colunista do UOL. Vencedor do Prêmio Comunique-se na categoria Jornalista Influenciador Digital. Maior influenciador político do Brasil no Twitter, de acordo com estudo da empresa de big data Stilingue. Trabalhou nas revistas Veja e Crusoé, no site O Antagonista e na rádio Jovem Pan, onde também foi diretor de Jornalismo. Reúne suas várias frentes de trabalho em www.felipemourabrasil.com.

Colunista do UOL

06/07/2022 08h48

Na Live UOL desta terça-feira (05), comentei a declaração do presidente Jair Bolsonaro (PL) que, em conversa com apoiadores, disse que "cristão não vota na esquerda".

Para seu cercadinho, o presidente voltou a exaltar a chamada pauta de costumes, que inclui temas como aborto, educação sexual, família e armas de fogo, e questionou "o que passa pela cabeça" de pessoas adeptas do cristianismo que votam na esquerda, e não nele, nas eleições de outubro.

A aposta de Bolsonaro é que as posições que utiliza como bandeiras para se autoproclamar o representante da direita brasileira sejam suficientes para a escolha eleitoral da maioria da população e tudo o que a religião dela representa. Tenta reduzir princípios milenares e valores perenes a uma cartilha ideológica, emulada do Partido Republicano dos EUA, e explora esse reducionismo para mobilizar um ato político a seu favor.

O discurso genérico serve para acobertar os atos individuais do presidente, com frequência opostos à doutrina e até aos mandamentos cristãos, como expus nos artigos "Bolsonaro corrompe a moral cristã", "Barra Torres confronta Bolsonaro com princípios morais e cristãos", "Bolsonarismo x cristianismo" e "A reforma moral". Posar de direitista com posições a favor ou contra determinadas causas não exime indivíduo algum de suas responsabilidades.

Nem Jesus Cristo, nem qualquer um dos santos jamais ensinaram aos fiéis a negar a gravidade de uma pandemia, a sabotar e atrasar a vacinação de um povo exposto a um vírus letal, a dizer "e daí?" para a morte de centenas de milhares de compatriotas; a praticar e acobertar rachadinhas em gabinetes, a compor a frente ampla pela impunidade geral quando descoberto; a desvirtuar o conceito de "liberdade" para abranger ameaças, incitação à violência e crimes contra a honra; a legalizar a compra turbinada de apoio parlamentar pelo orçamento secreto e de votos pela PEC do Desespero; a responsabilizar vítimas de assassinatos por terem se colocado em situação de vulnerabilidade em região do território nacional tantas vezes tratada como "nossa"; muito menos a instrumentalizar a fé alheia para permanecer no poder.

Muito assim pelo contrário, a Bíblia alerta contra falsos profetas, que chegam vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores.

Os cristãos votam em quem quiserem. Se julgarem que a esquerda não representa suas causas - nem seus líderes, os seus valores -, podem escolher qualquer outra candidatura de centro ou de direita, inclusive nenhuma.

Na edição da Live UOL falamos também sobre o adiamento, para depois das eleições, da CPI que investigaria as denúncias envolvendo o Ministério da Educação, e sobre a deputada bolsonarista Carla Zambelli, que xingou o professor Paulo Cruz e interrompeu entrevista ao vivo durante discussão em podcast.

Com Madeleine Lacsko, debato os principais assuntos do país diariamente, das 17h às 18h, com transmissão ao vivo nos perfis do UOL no YouTube, no Facebook e no Twitter.