Topo

Jamil Chade


Brasil cede à pressão dos EUA e rompe tradição sobre Cuba na ONU

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

07/11/2019 14h29Atualizada em 07/11/2019 17h08

Pela primeira vez desde o início do embargo americano sobre Cuba, o Brasil vota contra uma resolução na Assembleia Geral da ONU condenando as sanções. O texto, que tradicionalmente é apresentado todos os anos, ainda pede o fim do embargo dos EUA contra Havana.

Essa foi a 28ª vez que a resolução foi colocada à votação e, uma vez mais, foi aprovada. Neste ano, 187 países votaram pelo fim do embargo econômico, praticamente um consenso. Tradicionalmente, apenas americanos e israelenses votavam contra a proposta. Agora, pela primeira vez, o governo de Jair Bolsonaro também faz parte do grupo, que conta com apenas três países.

Dois países ainda optaram pela abstenção: Colômbia e Ucrânia, ambos aliados americanos.

Mas a posição do Brasil deixou embaixadores e diplomatas surpresos. Nem governos de extrema-direita como a Hungria e Polônia optaram por votar contra a resolução. Na América Latina, Chile e outros países de direita tampouco seguiram o padrão de voto brasileiro. Tradicionais aliados americanos na Europa ou Ásia também ignoraram os pedidos americanos.

Existia uma percepção de que havia uma mudança na postura do Itamaraty. Mas a suspeita era de que o governo optaria por uma abstenção. Assim, manteria certa coerência com o restante da América Latina.

O assunto, de fato, foi alvo de amplo debate interno no Itamaraty. A missão do Brasil na ONU, em Nova Iorque, chegou a sugerir que, se uma mudança tivesse de ser realizada, a opção fosse pela abstenção.

Mas, pressionado pelo governo americano, o governo Bolsonaro cedeu e aceitou a um pedido da Casa Branca. Washington tentou convencer outros aliados. Ninguém, salvo Israel e o Brasil, atendeu ao pedido de Donald Trump.

Fontes no governo confirmaram à coluna que dois fatores pesaram nessa escolha. O primeiro deles foi o de justamente confirmar um alinhamento total do Itamaraty com o posicionamento da Casa Branca e rompe uma tradição histórica de diferentes governos no Brasil. Nos últimos 27 anos, o Brasil sempre apoiou a resolução.

Outro fator que pesou foi o público interno brasileiro. O chanceler Ernesto Araújo teria buscado uma forma de sinalizar que está alinhado com o discurso anti-comunista de Bolsonaro. O voto, portanto, fortalece a posição do ministro dentro do governo e ainda sinaliza à base mais radical do bolsonarismo.

Em seu discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU, Bolsonaro deu especial atenção à suposta ameaça que Cuba representa e insistiu sobre a necessidade de lutar contra o socialismo. Autoridades de alto escalão das Nações Unidas confessaram que, ao escutar aquelas frases, voltaram a se sentir nos anos 60 e 70. "Eu pensei que estava sonhando", brincou um dos mais altos dirigentes da entidade, em condição de anonimato.

Punho

Poucos dias depois, Araújo mandaria instruções escritas de seu próprio punho para diplomatas em Genebra, na ONU. Nela, ele pedia que o Brasil evitasse votar a favor de resoluções propostas por Cuba, mesmo quando estivesse de acordo com o tema. Mas ele foi além e também instruiu que a delegação brasileira pedisse a palavra para atacar verbalmente Havana.

Diplomatas brasileiros tentaram convencer Brasília de que tal postura não seria necessária. Mas a ordem do gabinete foi a de iniciar o bate-boca. Cuba acabou respondendo e chegou a ser felicitada por países europeus pela forma pela qual rebateu as críticas brasileiras.

Para membros mais críticos do governo dentro do próprio Itamaraty, o voto de Araújo na ONU viola o direito internacional.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL