Topo

Coluna

Jamil Chade


Brasil rompe tradição e vota em defesa de Israel na ONU

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

15/11/2019 15h03

Uma semana depois de ter abandonado uma tradição de décadas e votar contra Cuba na ONU, a diplomacia brasileira agora apoia Israel em votações na Assembleia Geral das Nações Unidas. Nesta sexta-feira, o 4º Comitê da ONU considerou um total de oito resoluções contra Israel.

O Brasil foi um dos 11 países que votaram contra uma resolução que pedia investigações sobre possíveis abusos de direitos humanos por parte de Israel contra o povo palestino. A resolução foi aprovada com 82 países dando seu apoio; 78 países se abstiveram.

O Brasil, porém, se aliou a um pequeno grupo de países, todos alinhados aos EUA, como Austrália, Canadá, Colômbia, Nauru e Micronésia, além de Israel.

O voto contrário confirma a aliança do governo de Jair Bolsonaro com Tel Aviv, numa mudança fundamental da política externa brasileira. Durante a gestão de Michel Temer, alguns dos votos chegaram a optar pela abstenção. Mas nunca por ser contra explicitamente os palestinos, como desta vez.

O governo de Jair Bolsonaro ainda se absteve em uma resolução que condenava os assentamentos israelenses em partes de Jerusalém, no território palestino e nas colinas de Golã. Apenas 15 países seguiram a mesma posição do Brasil e a resolução acabou sendo aprovada com 156 votos a favor.

Uma resolução específica sobre a ocupação das Colinas de Golã também foi aprovada, com 155 votos a favor. Mas o Brasil optou pela abstenção.

Numa resolução que tratava das propriedades e receitas dos palestinos, o Brasil se absteve, ao lado de outros oito governos. Todos são aliados dos EUA, como Austrália, Vanuatu e Honduras. A resolução passou com 162 países a apoiando, entre eles todos os sul-americanos, inclusive Chile.

Em outras quatro resoluções, porém, o Brasil manteve a tradição e votou ao lado dos palestinos.

O Brasil votou a favor de uma resolução que instava os governos a manter a ajuda aos refugiados palestinos. Nesse caso, apenas Israel e EUA votaram contra. O Brasil também apoiou uma resolução para dar assistência às pessoas deslocadas como resultado dos acontecimentos de 1967.

Também contou com o voto brasileiro uma resolução que dava apoio aos trabalhos da ONU para ajuda humanitária aos palestinos no Oriente Médio.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Jamil Chade