PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


O dia em que me perguntaram se deveriam me saudar com um gesto nazista

O presidente Jair Bolsonaro acompanhado dos secretários Jorge Seif (Pesca) e Roberto Alvim (Cultura) - Reprodução/Facebook
O presidente Jair Bolsonaro acompanhado dos secretários Jorge Seif (Pesca) e Roberto Alvim (Cultura) Imagem: Reprodução/Facebook
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

20/01/2020 04h00

No meu bairro, todos se conhecem. Ou quase. Um lugar pacato. Para alguns, um lugar chato. No correio ou no açougue, perguntam como vai a família, se meu pai já se recuperou ou se acho que Neymar voltará ao Barcelona. À beira dos Alpes suíços e na fronteira com a França, fala-se também da perspectiva de neve, de histórias nem sempre verdadeiras sobre vizinhos ou dos planos para o ano.

Mas, neste fim de semana, algo diferente ocorreu. Ao entrar na mesma padaria de sempre e chegar ao caixa, a senhora que ali trabalha há anos me sorriu de forma irônica e, antes que eu dissesse qualquer coisa, perguntou: "temos de saudar um brasileiro agora com gesto nazista"?

A pergunta que fere era apenas uma brincadeira de uma velha conhecida e que passa seus dias tentando agradar meus filhos distribuindo chocolate. Mantive o bom humor. Mas, além da baguette debaixo do braço, deixei o local com a alma pesada.

A notícia sobre o deslize nazista do ex-secretário da Cultura, Roberto Alvim, havia repercutido na imprensa internacional. CNN, BBC, The Guardian e tantos outros apresentaram o mais novo escândalo nacional dentro de um contexto de um governo repleto de deslizes. O que eu não esperava era a reação que se acumularia entre os estrangeiros sobre um fato aparentemente doméstico.

Desde sexta-feira e ao longo do fim de semana, amigos, jornalistas estrangeiros, diplomatas e conhecidos se revezaram em mandar mensagens demonstrando choque, ironia ou alerta sobre o que tinham escutado sobre o nosso fascismo tropical. "Is this true? (Isso é verdade?)", perguntou um deles por WhatsApp, com um link de uma matéria do New York Times.

De sua mesa num grande banco suíço, um gestor de fortunas me mandou ainda foto de seu terminal da Bloomberg, com o alerta sobre Alvim. E mais uma ironia: "vocês têm algum limite?".

Ao entrar no carro, uma das principais rádios de notícias na França transmitia uma reportagem especial sobre Bolsonaro, seus ataques de raiva contra a imprensa, suas respostas atravessadas e, claro, sobre a descoberta que referências nazistas encontravam lugar no seio de um governo.

Pela noite, num jantar, dois alemães me bombardeavam com perguntas sobre o que tinham lido sobre Alvim, inconformados. "E pensar que houve uma época em que todos nós queríamos ser brasileiros", lamentou um operador do sistema financeiro, sentado na outra ponta da mesa.

A realidade é que, depois de um dos maiores escândalos de corrupção, do caos político, da Amazônia, da situação dos indígenas, da violência dos policiais, dos elogios ao general Pinochet, agora é o fascismo que contribui para desmanchar uma imagem cultivada pelo Brasil no exterior por décadas.

A sensação é de que deixamos de ser um "país simpático" ou uma referência de tolerância, uma imagem certamente construída com base numa ilusão.

Claro que a Bolsa de Valores continuará a bater recorde enquanto a equipe econômica der provas ao mundo de que está aberta ao capitalismo mundial. Claro que Paulo Guedes será recebido com aplausos em Davos nesta semana.

Mas o descompasso entre a percepção do setor financeiro sobre o Brasil e a imagem pública internacional do país não poderia ser maior.

Na mesma sexta-feira em que o Brasil descobria o que significava colocar Wagner numa trilha sonora de um vídeo com estética nazista, em Lausanne mais de 10 mil estudantes se aglomeravam numa praça pública para lutar pelo clima. No instante em que a palavra "Brasil" foi mencionada por um dos líderes do protesto, o que ecoou foi uma estrondosa e longa vaia.

O mal-estar vai além e o próprio Alvim experimentou isso na pele em novembro de 2019. Numa reunião na Unesco, ele criticou os artistas brasileiros. Instantes depois, foi o ministro da Cultura da Suíça - um país tradicionalmente neutro e que não entra em polêmicas - quem pegou o microfone para responder ao brasileiro. Segundo o suíço, os artistas brasileiros estavam entre os maiores e mais bem-sucedidos embaixadores da imagem que o país construiu ao longo das últimas décadas.

Os institutos de pesquisa também confirmam como a "Marca Brasil" vem sofrendo, ainda que a queda já tenha começado antes. Num levantamento publicado em meados de 2019 que avalia os "brands" de nações, o Brasil caiu quatro posições em comparação ao último informe realizado pela FutureBrand, em 2014.

Hoje, estamos apenas no 47o lugar, entre 75 países. Pelo ranking, ficamos abaixo do Panamá - um paraíso fiscal - e apenas uma posição acima dos comunistas de Cuba. Mianmar, com todos seus problemas de direitos humanos, não está longe, na 49a posição.

"O brasileiro Jair Bolsonaro dividiu a nação após sua recente eleição, e a agitação continua a envolver a nação, o que pode influenciar o desempenho futuro do país no Índice (de marcas", declarou a FutureBrand, em meados de 2019.

Em 2016, o Brasil era o 20o colocado no ranking dos "Melhores Países". A classificação havia sido criada pela BAV Consulting e a Wharton School para "entender as dimensões da imagem de uma nação e descobrir a relação entre essa imagem e os resultados econômicos".

O ranking, portanto, "classifica as nações nas percepções públicas sobre as suas características inerentes". 16,2 mil pessoas foram consultadas. "Usamos essas percepções para entender as dimensões únicas de cada país, resumidas no que pode ser chamado de "marca" do país", explicou.

Um ano antes, o estudo indicava que "os brasileiros desfrutam da boa vontade de um mundo que os considera as pessoas mais amigáveis e sensuais do planeta, ocupando um belo ambiente".

"O país deles tem uma longa distância para cair antes que pareça um lugar tão ruim para diversão e prazer", constatou.

Nos anos seguintes, porém, a queda foi constante, colocando o Brasil na 28a colocação.

Há quem acredite que uma nação é mais forte que seu líder e que sua exposição no mundo não depende da política. Há também quem insista que não se pode generalizar, já que o Brasil não é só Bolsonaro. Mas pesquisas revelam que existe sim uma relação entre o comando de um país e a percepção do mundo sobre a nação.

Em 2017, um levantamento da Pew Research Center em 37 países revelou que a visão positiva que cidadãos do mundo tinham sobre os EUA despencou com a eleição de Trump. Nos últimos meses da presidência de Obama, 64% daqueles que responderam à pesquisa indicaram que tinham uma visão "positiva" sobre os Estados Unidos. Depois de alguns meses de Trump na Casa Branca, a taxa caiu para 49%.

Na Alemanha, 92% das pessoas consultadas sob a administração Obama diziam ter confiança no presidente dos EUA. Sob o governo Trump, o índice de confiança era de apenas 11%.

Não é apenas um líder que pode destruir a imagem de um país. Em 2006, o filme Borat criou sérias dificuldades no exterior para o Cazaquistão, com o governo tendo de responder com uma campanha internacional milionária para conter o impacto daquela comédia.

Bolsonaro rapidamente demitiu seu secretário. Mas a notícia divulgada pelo mundo sobre caráter fascista de um alto funcionário do governo apenas contribuiu para aprofundar um sentimento de falência moral.

No caso brasileiro, temos uma enorme vantagem: não precisarmos criar o nosso Borat.

Jamil Chade