PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


América do Sul e Uefa se unem e estudam recriar torneios intercontinentais

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

12/02/2020 08h27

América do Sul e Europa se unem e apresentam um plano para mostrar força contra a Fifa e os grandes clubes. Numa reunião inédita nesta quarta-feira na sede da Uefa, em Nyon, os conselhos executivos da Conmebol e da Uefa decidiram iniciar um debate para a criação de novos torneios a partir de 2022 e deixar claro que não vão simplesmente aceitar um calendário imposto pela Fifa.

O encontro era uma demonstração de poder. Juntas, as duas entidades ganharam todas as Copas do Mundo e todos os títulos mundiais de clubes. Se a Fifa conta com amplo apoio de Ásia e África, as duas entidades em Nyon deixaram claro que o futebol só existe por conta de suas seleções e seus clubes.

Diplomáticas, as duas entidades evitam falar em ataques contra a Fifa e o plano é o de demonstrar união. O projeto prevê intercâmbio de árbitros, coordenação e mesmo a elaboração de ideias para novos torneios entre as duas regiões.

Por conta de um calendário apertado, os novos torneios viriam apenas a partir de 2022 e não há, por enquanto, uma decisão sobre como eles funcionariam.

Mas a declaração de hoje é uma demonstração de que haverá um debate sobre torneios para categorias de base, feminino e masculino. Entre as opções está a proposta dos sul-americanos de recriar o Inter-Continental de Clubes, em um jogo único entre o vencedor da Taça Libertadores e da Liga das Nações.

Há ainda a possibilidade de uma ampliação do torneio, com duas equipes de cada continente. Neste caso, os vencedores da Liga Europa e Copa Sul-Americana seriam convidados. Mas a Europa insiste que não quer inchar ainda mais os calendários. Tudo dependerá dos cálculos financeiros.

Mal-estar

Ainda que a ordem dos participantes na Suíça é a de não atacar a Fifa, o sentimento entre dirigentes era de que o objetivo da aproximação tem como objetivo dar uma resposta ao presidente da entidade máxima do futebol, Gianni Infantino. Rivais durante os dois últimos anos e com ataques mútuos, a Conmebol e a Uefa ensaiaram uma paz estratégica para lidar com um inimigo comum.

A crise com a Fifa começou quando a entidade desafiou a Uefa e anunciou a criação de um novo Mundial de Clubes, com 24 equipes e que seria disputado em 2021 na China. O modelo substituiria a fracassada estrutura que Joseph Blatter estipulou com um Mundial a cada ano, com oito equipes.

Mas o temor da Uefa era de que tal torneio se transformasse num êxito que acabaria afetando a popularidade da Liga dos Campeões.

O continente ainda vive um momento de encruzilhada: os maiores clubes da Europa se uniram para tentar criar uma liga fechada e romper com as federações nacionais. A iniciativa, se for adiante, representaria uma revolução na estrutura do futebol.

Do lado sul-americano, a insatisfação está ligada a uma participação pequena de clubes da Conmebol no futuro Mundial. A Fifa ofereceu apenas cinco vagas, dos 24 lugares no torneio.

A crise se agravou quando, de repente, a Fifa promoveu o que foi interpretado como um golpe e convidou para dentro da entidade os grandes clubes europeus. O gesto foi interpretado como uma "traição", tanto por parte das federações europeias e sul-americanas.

Eis o comunicado completo das duas entidades:

Comissões a serem criadas para discutir competições, desenvolvimento, futebol feminino e arbitragem

O Comitê Executivo da UEFA e o Conselho da CONMEBOL reuniram-se hoje na Casa do Futebol Europeu em Nyon e assinaram um Memorando de Entendimento renovado para substituir o acordo que foi assinado em 2012. Este novo Memorando de Entendimento constitui a base para uma maior colaboração em diversos domínios, a fim de promover o desenvolvimento e o crescimento do futebol em ambos os continentes.

O Memorando de Entendimento visa fornecer assistência e apoio entre a UEFA e a CONMEBOL e suas respectivas federações membros no estabelecimento e implementação de projetos e atividades relacionadas:

- educação, formação, desenvolvimento técnico e arbitragem;

- a promoção e o desenvolvimento do futebol de base, juvenil e feminino;

- a organização de competições de futebol para homens, mulheres e jovens, bem como de futsal;

- marketing, questões jurídicas e de responsabilidade social;

- a segurança e a protecção;

- a promoção de princípios éticos e de boa governação no futebol;

A fim de promover a cooperação em tais projetos, ambos os órgãos dirigentes decidiram criar quatro comitês conjuntos para focar especificamente nas seguintes questões: competições, desenvolvimento, futebol feminino e arbitragem. Também poderiam ser formadas comissões ad-hoc para discutir outras áreas de cooperação, quando necessário.

Falando após a reunião, o presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, afirmou:

"A UEFA e a CONMEBOL têm uma longa história e tradição juntas, nomeadamente através de competições épicas e emocionantes, como o Troféu Artemio Franchi e a Taça Intercontinental.

"O acordo de hoje marca um primeiro passo para permitir que a UEFA e a CONMEBOL cooperem estreitamente para que possamos partilhar conhecimentos e experiência para o desenvolvimento do jogo em ambos os continentes".

"Gostaria de agradecer ao Conselho da CONMEBOL por ter vindo nos visitar e pelas muitas boas ideias que trouxeram à mesa".

O presidente da CONMEBOL, Alejandro Domínguez, acrescentou:

"Tínhamos trabalhado meses para que hoje tivéssemos uma reunião muito construtiva e frutuosa, e estou encantado que a CONMEBOL e a UEFA tenham concordado em cooperar mais sobre uma variedade de temas.

"Juntos podemos fazer muito pelo desenvolvimento do futebol e estou muito ansioso por esta colaboração reforçada". Isto é apenas o começo!".

Outros acordos alcançados hoje pela UEFA e pela CONMEBOL incluem:

Arbitragem

A UEFA e a CONMEBOL concordaram em implementar um programa de intercâmbio de árbitros, no qual serão nomeados árbitros de ambas as organizações para supervisionar os jogos internacionais no continente uma da outra, com vista a proporcionar mais experiência aos árbitros. Este programa de intercâmbio contará com a nomeação de uma equipa de árbitros da UEFA para a fase de grupos da Copa América e de uma equipa de árbitros da CONMEBOL para a fase de grupos da UEFA EURO 2020. Além disso, haverá também intercâmbios semelhantes entre a Liga dos Campeões da UEFA/Copa Libertadores e a UEFA Europa League/Copa Sudamericana.

Competições Intercontinentais


A potencial criação de competições intercontinentais europeias/sul-americanas, para uma variedade de faixas etárias e para competições femininas e masculinas, foi discutida e será analisada mais detalhadamente por um comitê conjunto UEFA/CONMEBOL nos próximos meses.

Futebol Feminino

Foi acordado trabalhar em conjunto na estratégia de desenvolvimento do futebol feminino em associações nacionais individuais e cooperar na criação de conceitos e redes comerciais.

Treinando


Haverá reconhecimento mútuo das qualificações de coaching com um grupo de trabalho criado para comparar critérios mínimos nos respectivos regulamentos da Convenção de Coaching, peritos técnicos avaliando a implementação de cursos de coaching e a introdução de um programa de intercâmbio de estudantes de Pro Licença com participação em conferências ou seminários, e em torneios como observadores técnicos.

Desenvolvimento


Foi acordado trabalhar de perto no campo dos programas de desenvolvimento de jogadores de elite - que visa treinar e preparar jogadores de elite para carreiras profissionais no país e no estrangeiro; cultivar jogadores de maior qualidade para clubes nacionais; desenvolver a personalidade dos jogadores; melhorar o treinamento e desenvolver redes nacionais de escotismo.

Jamil Chade