PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Brasil tem fuga de US$ 7 bi e ONU prevê crise profunda para emergentes

Getty Images
Imagem: Getty Images
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

30/03/2020 12h00

Resumo da notícia

  • Dados sobre saída de recursos do Brasil se referem ao período entre 21 de fevereiro e 20 de março.
  • Fuga de capitas entre emergentes é de US$ 59 bi, duas vezes superior ao impacto da crise nos bancos em 2008
  • Agência da ONU estima que economias em desenvolvimento precisarão de US$ 2,5 tri e pede Plano Marshall

A ONU alerta que o coronavírus trará um "impacto econômico sem precedentes" para os países emergentes e que esse bloco necessitará de US$ 2,5 trilhões. Um dos países afetados será o Brasil, tanto por conta da queda do preço de commodities, fuga de capital, queda de comércio exterior e problemas de financiamento.

Os dados fazem parte de um informe publicado nesta segunda-feira pela Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), que aponta que a "velocidade com a qual as ondas de choque econômico da pandemia atingiram os países em desenvolvimento é dramática, mesmo em comparação com a crise financeira global de 2008".

Um dos pontos destacados pelo informe é a fuga em massa de capital das economias emergentes. Temendo instabilidade, investidores retiraram seus ativos de locais de risco e aplicaram em locais mais seguros.

Apenas entre fevereiro e março, US$ 59 bilhões deixaram esses mercados emergentes. "Isto é mais do dobro das saídas experimentadas pelos mesmos países na sequência imediata da crise financeira global de 2008", disse. Naquele momento, a fuga foi de US$ 26,7 bilhões.

O Brasil foi uma das economias com a maior fuga de capital. Entre 21 de fevereiro e 20 de março, os investidores não-residentes no país retiraram da economia mais de US$ 7 bilhões.

Ou seja, o Brasil foi responsável por mais de 10% de toda a fuga de capitais nos emergentes.

Um dos efeitos foi a desvalorização das moedas dos emergentes, de até 25%, desde o início deste ano. Novamente, tal perda foi mais rápida que os primeiros meses da crise financeira global.

O Brasil foi um dos sofreu entre os emergentes, com uma queda de 20% em sua moeda desde o começo da crise. Apenas o México e Rússia tiveram desvalorizações mais profundas.

Para Richard Kozul-Wright, diretor de globalização e estratégias de desenvolvimento da UNCTAD, o Brasil deve se preparar para um "coquetel extremamente perigoso", composto por uma crise na saúde e uma crise na economia.

"Isso deve causar um estresse enorme em uma economia que já vinha fraca", apontou. Para ele, o impacto deve ser mais profundo que a crise de 2008, abalando o emprego de milhões de brasileiros no setor de serviços.

Economista-senior da Unctad, o ex-ministro Nelson Barbosa acredita que o Brasil tem reservas suficientes e instrumentos para dar uma resposta à crise. Mas alerta que, hoje, o maior desafio é "político e institucional".

Segundo ele, os ruídos dentro do governo federal sobre como lidar com a pandemia não ajudam. Mas há também questões relativas às autorizações para que recursos sejam utilizados e como realizar os pacotes de resgate.

Ainda assim, ele alerta que, por ter uma moeda das mais afetadas do mundo, um dos cenários possíveis é um impacto recessivo no curto prazo na economia nacional.

Commodities

Outro impacto que será duramente sentido no Brasil se refere aos preços das commodities. Muitos emergentes dependem fortemente desses recursos para suas divisas. De uma forma geral, a queda global dos preços foi de 37% este ano. No setor de metais, a contração seria de 18%, contra 6,8% na agricultura.

Algodão terá retração de 22%, contra 15% no açúcar e 7% na soja.

A ONU também estima que as exportações dos países emergentes devem sofrer, mesmo com o pacote de resgate da economia chinesa.

"Isso significará uma demanda significativamente menor por exportações para outras economias em desenvolvimento", disse. "As perdas no volume das exportações serão agravadas pelas quedas acentuadas nos preços da energia e das matérias-primas, que ainda constituem a maior parte dos bens que muitos países em desenvolvimento exportam", alerta.

"No total, projetamos que os países em desenvolvimento como um todo (excluindo a China) perderão quase US$ 800 bilhões em termos de receitas de exportação em 2020", aponta a ONU.

"Uma queda tão drástica nas suas receitas cambiais aumentará os desafios já colocados pela desvalorização da moeda em relação ao dólar americano. Embora as importações se contraiam, em cerca de US$ 575 bilhões, a queda global da balança comercial de cerca de US$ 225 bilhões não é isenta de conseqüências para suas necessidades de desenvolvimento, seus planos de transformação estrutural e sua capacidade de gerar produção e capacidade de continuar a enfrentar compromissos financeiros externos", alerta.

"Além disso, outros itens da conta corrente, tais como remessas, pagamentos de royalties e saídas de lucros, são susceptíveis de agravar as dificuldades de financiamento enfrentadas por muitos países em desenvolvimento ao longo do próximo ano", indicou.

A realidade é que, para a cúpula da ONU, a situação econômica vai sofrer uma forte deterioração. "As consequências econômicas do choque são contínuas e cada vez mais difíceis de prever, mas há indicações claras de que as coisas vão piorar muito para as economias em desenvolvimento antes de melhorarem", disse o secretária-geral da UNCTAD, Mukhisa Kituyi.

O relatório mostra que nos dois meses desde que o vírus começou a espalhar-se para além da China, os países em desenvolvimento sofreram um enorme golpe em termos de saídas de capital, crescentes spreads de títulos, desvalorizações da moeda e perda de receitas de exportação, incluindo a queda dos preços das mercadorias e a diminuição das receitas turísticas.

De acordo com a ONU, em diversos setores, o impacto econômico tem sido mais profundo do que em 2008, com a quebra dos bancos. Naquele momento, a crise começou já a ser superada 2009 e 2010. Desta vez, a ONU não aposta em uma recuperação no mesmo ritmo.

Sem árvore mágica

A ONU destaca que, nos últimos dias, as economias avançadas e a China têm reunido enormes pacotes governamentais que, de acordo com o G20, irão garantir US$ 5 trilhões.

"Isto representa uma resposta sem precedentes a uma crise sem precedentes, que atenuará a extensão do choque física, econômica e psicologicamente", admitiu a ONU. A entidade estima que tais pacotes se traduzirão em uma injeção de demanda de US$ 1 trilhão a US$ 2 trilhões nas principais economias do G20 e uma reviravolta de dois pontos percentuais na produção global.

Mas, mesmo assim, a economia mundial entrará em recessão, com uma previsão de perda de renda global na casa dos trilhões de dólares. "Isso significará sérios problemas para os países em desenvolvimento, com a provável exceção da China e a possível exceção da Índia", prevê a entidade.

A ONU estima que existirá uma lacuna de financiamento de 2 a 3 trilhões de dólares para os países em desenvolvimento ao longo dos próximos dois anos.

"A falta de capacidade monetária, fiscal e administrativa para responder a esta crise, as consequências de uma pandemia sanitária combinada e de uma recessão global serão catastróficas para muitos países em desenvolvimento e impedirão o seu progresso em direção aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável", alertou.

"As economias avançadas prometeram fazer 'o que for preciso' para impedir que suas empresas e famílias sofram uma forte perda de renda", disse Richard Kozul-Wright, diretor de globalização e estratégias de desenvolvimento da UNCTAD.

"Mas para que os líderes do G20 mantenham seu compromisso de 'uma resposta global no espírito de solidariedade', deve haver uma ação proporcional para os seis bilhões de pessoas que vivem fora das economias centrais do G20", alertou.

Estratégia

Diante de um iminente tsunami financeiro, a ONU sugere uma estratégia em quatro frentes:

Helicóptero: Uma injeção de liquidez de US$ 1 trilhão; uma espécie de queda de dinheiro de helicóptero para aqueles que ficaram para trás e por meio de linhas estipuladas pelo FMI.

Perdão: A adoção de medidas que permitam o perdão da dívida das economias em dificuldades. "Uma referência poderia ser o alívio da dívida alemã administrado após a Segunda Guerra Mundial, que cancelou metade da sua dívida pendente. "Nessa medida, cerca de 1 trilhão de dólares deveria ser cancelado este ano, supervisionado por um organismo criado independentemente", apontam.

Um dos aspectos alertados pela ONU é a dificuldade que emergentes terão para quitar as dívidas. "Os países em desenvolvimento já enfrentam um muro de amortizações da dívida pública denominada em moeda estrangeira ao longo deste ano e do próximo", indicou. "O montante total da dívida soberana devida no final de 2021 é de US$ 2,7 trilhões (US$ 1,62 trilhão em 2020 e US$ 1,08 trilhão em 2021). Desse valor, US$ 562 bilhões são devidos para pagamento pelos governos dos países de baixa e média renda, sendo que a maior parte desse montante é devida este ano (US$ 415 bilhões em 2020 e US$ 147 bilhões em 2021)", explicou.

"Em tempos "normais", grande parte desta dívida seria rolada, aumentando os encargos da dívida futura, mas fornecendo um espaço vital para honrar as obrigações globais", completou.

Plano Marshall - A ONU também pede o destino de US$ 500 bilhões para financiar nos países mais pobres os serviços de saúde de emergência e programas de assistência social. Isso, na avaliação da entidade, deveria constituir uma espécie de Nova Plano Marshall.

Capital - A ONU também sugere controles de capital para reduzir o ritmo das saídas de capital, reduzir a falta de liquidez.

Jamil Chade