PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


OMS: dados confirmam números cada vez maiores de jovens com doença severa

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

03/04/2020 14h26

A Organização Mundial da Saúde alerta que novos dados revelam o coronavírus afeta de forma severa também um número cada vez maior de jovens. De acordo com a diretora técnica da OMS, Maria Van Kerkhove, os novos levantamentos confirmam que não são apenas os mais idosos que acabam exigindo cuidados de UTIs, ainda que continuem sendo os que mais morrem da doença.

"Estamos vendo mais e mais jovens com uma situação severa", disse. Ela aponta que os idosos continuam sendo o grupo com maior taxa de fatalidade. "Mas o que estamos vendo é que 30, 40 e 50 que estão em UT e morreram", alertou.

"Alguns tinham problemas anteriores, outros não", afirmou. "Temos de entender o motivo pelo qual estão morrendo. Existem muitas incertezas", apontou.

A coluna revelou na quinta-feira, com exclusividade, que mais da metade de todos os contaminados tem entre 30e 59 anos de idade. "Precisamos entender melhor o motivo pelo qual alguns deles passam de moderado para severo. São questões fundamentais", disse Maria.

"É muito cedo para concluir que vai ser igual para todos os países. Todos precisam fazer o que podem para evitar serem contaminados", alertou.

Mike Ryan, chefe de operações da OMS, confirma o mesmo dado. "Houve uma tendência de dizer que a doença era severa apenas entre velhos. Era uma forma de se garantir. Mas estamos dizendo que, mesmo na Coreia do Sul, uma a cada seis pessoas era menor de 60 anos", afirmou.

Na Itália, entre 10% e 15% das pessoas em UTIs tem menos de 50 anos. "Tentamos nos convencer que é moderada nos jovens e isso é o problema", alertou Ryan. "Ela tem um impacto tanto em jovens como nos mais velhos", afirmou.

Outro alerta da OMS é de que, ainda que não desenvolvam a doença de forma severa, jovens podem ser vetores do vírus, justamente para os mais velhos.

"Temos mais evidencias que afetam mais jovens também", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Jamil Chade