PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Jamil Chade

OMS manda recado aos líderes mundiais: "Basta, já chega"

29.abr.2020 - O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante coletiva de imprensa - Pavlo Gonchar/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
29.abr.2020 - O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante coletiva de imprensa Imagem: Pavlo Gonchar/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

12/06/2020 14h27

Com mais de 7,5 milhões de casos do coronavírus pelo mundo e governos ainda divididos e em plena disputa política diante da pandemia, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyeus, pediu um "basta" por parte de lideranças políticas.

Numa declaração pouco típica de sua maneira cautelosa, o chefe da agência de Saúde tomou a palavra nesta sexta-feira em sua coletiva de imprensa em Genebra para passar um recado a presidentes e chefes-de-governo.

"Basta, já chega", disse. "O mundo está dividido", alertou. Tedros acredita que o vírus apenas será freado quando houver união nacional e solidariedade internacional. "Esse é um vírus perigoso e precisa acabar", disse.

Nos últimos seis meses, a comunidade internacional não conseguiu chegar a acordos sobre estratégias para lidar com o vírus, crises diplomáticas foram aprofundadas e, em diferentes países, as disputas políticas falaram mais alto que o resgate às vidas.

Segundo ele, se 400 mil pessoas já morreram, o impacto sobre a renda de milhões de pessoas é ainda maior. "Milhões perderam empregos e sabemos que muitos perderam renda", disse. "O vírus invisível está causando caos. Precisamos impedir que o vírus encontre espaço para proliferar. Caso contrario, com aumento do casos que vemos, o vírus está só começando e vai continuar a causar caos", alertou. "Já chega", insistiu.

Tedros, num recado aos líderes, pediu que todos adotem "humildade para sair do problema" e que superem divisões partidárias.

Isso, segundo ele, vale para pessoas e nações, ricas ou pobres. "Chega", insistiu. O diretor da OMS apontou que, ainda que os números estejam em queda na Europa, ele continua a aumentar em outras partes do mundo.

Centro de uma polêmica internacional, a OMS vem sendo criticada pela resposta que deu à crise. Mas tem insistido que seus alertas não foram escutados. De acordo com a entidade, os governos que agiram tiveram êxito em sair da situação delicada.

"Ou nos unimos para enfrentar um inimigo comum ou deixaremos que o medo, suspeita e irracionalidade nos dividam", completou.