PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


OMS critica politização e diz que "pior está por vir"

Diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durate entrevista coletiva em Genebra -
Diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durate entrevista coletiva em Genebra
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

29/06/2020 12h47

Às vésperas dos seis meses da covid-19, a OMS alerta que o mundo está ainda distante de ver o final da pandemia e que a atual crise política, falta de unidade nacional e divisão global estão aprofundando o caos.

"A dura realidade é que não está nem perto de acabar", afirmou Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. Segundo ele, se o mundo continuar dividido e não houver união nacional, "o pior está ainda por vir".

"Lamentamos dizer isso. Mas tememos o pior com esse tipo de condições", disse.

"Globalmente, a pandemia se acelera. Todos estamos nessa juntos. E por um longo tempo", disse. "Vamos precisar de mais paciência, resiliência e humildade", disse.

Para Tedros, esse é o momento de "liderança moral e política". "Perdemos muito. Mas não podemos perder esperança", disse.

No dia 31 de dezembro de 2019, a agência receberia o primeiro alerta oficial de um surto na China. Um mês depois, a emergência global seria declarada, quando existiam apenas doze casos fora da China.

Hoje, são 10 milhões de infectados e mais de 500 mil mortes. Mas, acima de tudo, a OMS se diz preocupada com a alta no número de casos em países que, depois de obter um certo controle da doença, voltaram a registrar importantes aumentos de novas infecções.

No Brasil, são 1,3 milhão de casos e 57 mil mortes. Nos últimos 30 dias, o país foi o local que mais registrou novos casos no mundo. Em média, nos últimos dias, 20% de novos infectados no mundo estão no Brasil.

"Há seis meses, ninguém poderia imaginar como nosso mundo e vidas seriam jogadas nessa turbulência", afirmou.

Politizada

Sem citar nomes, Tedros criticou governos e lideranças que têm "politizado" a pandemia e insistiu que o vírus pode ser barrado, mesmo sem a vacina. Para isso, porém, governos precisam investir em testes, isolamento e rastreamento de casos.

"Há como parar o vírus", disse. "O governo precisa assumir sua responsabilidade e a comunidade precisa fazer seu papel", afirmou.

Na avaliação de Tedros, a Coreia do Sul é um exemplo de um país que conseguiu, sem a vacina, romper a cadeia de contaminação.

Missão para a China

A OMS ainda anunciou que, seis meses depois, uma equipe da entidade foi aceita pela China para desembarcar no país para ajudar no trabalho de tentar entender de que maneira o vírus se desenvolveu e passou a ser uma ameaça.

A investigação é parte de um processo mais amplo de revisão a resposta dos últimos meses e identificar os motivos da pandemia. Para isso, porém, a OMS precisava de um sinal verde por parte da China.

Jamil Chade