PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

OMS fala em queda do vírus em áreas do Brasil e controle no mundo em 2 anos

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

21/08/2020 13h04

Resumo da notícia

  • Agência internacional estima que pandemia pode estar sob controle em menos de dois anos no mundo
  • "Estamos num momento em que as coisas podem parecer melhor (no Brasil). Mas agora exige-se estratégia para levar transmissão para baixo", disse Ryan
  • Para diretor-geral da OMS, corrupção em itens de proteção contra covid-19 é "assassinato"

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que a tendência da covid-19 no Brasil é de "estabilização" ou de "queda" em certas regiões. Mas alerta que, com números ainda elevados de mortes e com certas zonas ainda apontando para altas, o país ainda tem "muito a fazer" para conseguir caminhar para uma situação de controle. No mundo, a estimativa é de que a doença possa estar sob controle em "menos de dois anos".

Em resposta à coluna, o chefe de operações da OMS, Mike Ryan, indicou nesta sexta-feira em coletiva de imprensa em Genebra que a "situação se estabilizou" no Brasil e que a pressão sobre UTIs seria menor.

Ele reconhece que, em alguns pontos do país, a transmissão continua a ampliar de forma preocupante. Mas que, em geral, há uma "tendência de queda".

"A situação no Brasil de uma certa forma se estabilizou em termos de número de infecções detectada por semana", disse. "Certamente as UTIs estão sob uma pressão menor do que estavam antes. Quando olhamos para as incidências pelas regiões, a taxa de transmissão foi reduzida e a aceleração dos casos se estabilizou", apontou o irlandês.

"Mas há um número elevado de casos, entre 50 mil e 60 mil por dia e um número elevado de mortes", alertou. Ryan elogiou os trabalhadores do setor da saúde e das comunidades no país para tentar estabilizar a situação.

"A questão é: isso é uma pausa? Pode ser mantida? Há uma queda? Há uma clara tendência de queda em muitas regiões. Mas há locais onde está muito presente e instável em sua transmissão", insistiu.

Para ele, o Brasil em um "período difícil". "Estamos num momento em que as coisas podem parecer melhor. Mas agora exige uma dedicada e forte estratégia para levar transmissão para baixo", destacou.

"O país é grande e há áreas que experimentam altas. Mas, de uma forma geral, há tendência de estabilidade ou de queda. Isso precisa continuar", destacou.

"Há muito a fazer", insistiu, apontando para uma taxa ainda elevada de testes positivos no país. "Mas o padrão está claro. A questão é se pode ser mantido numa tendência de queda nas próximas semanas", afirmou.

Para ele, um êxito no controle da doença no Brasil seria uma vitória para o mundo, já que o país foi um dos que mais contribuiu para os elevados números mundiais. "O sucesso para o Brasil é o sucesso para o mundo", declarou Ryan.

Segundo o diretor da OMS, países com grandes populações têm um impacto grande no número global. "Se países como o Brasil, EUA e Índia controlam a doença, contribuem para o mundo", disse. "O impacto é global".

Pandemia sob controle em menos de dois anos

Tedros Ghebreyesus, diretor geral da OMS, foi cauteloso e alertou que "progresso não é vitória" na pandemia. Segundo ele, países europeus que estão registrando uma volta no número de casos são "alertas" para o restante do mundo.

Tedros admitiu que o confinamento indefinido "não é a solução de longo prazo para ninguém", ainda que tenha sido importante para suprimir a doença. Mas com vacinas e ações globais, a esperança é de que a pandemia seja freada em menos de dois anos, um prazo menor que a Gripe Espanhola. Hoje, o mundo conta com mais de 22 milhões de pessoas infectadas e 780 mil mortes. Mas, de acordo com o chefe da OMS, a maioria da população mundial continua sem imunidade ao vírus.

Para Tedros, ainda que a globalização tenha acelerado a possibilidade de o vírus viajar, o mundo tem a vantagem de contar com inovações. "Temos a tecnologia e o conhecimento para pará-lo", disse.

"Temos longo caminho para percorrer. Precisamos colocar pressão no vírus. Estamos cansados", completou Maria van Kerkhove, diretora técnica da OMS.

Tedros também destacou que o controle da doença não ocorrerá até que uma vacina apareça. "Ela será vital", disse. Mas voltou a ser cauteloso ao indicar que não existem garantias de que ela seja eficiente e que, sozinha, não vai acabar com a pandemia.

Para ele, sociedades terão de "ajustar" suas vidas. "Não podemos escolher entre economia e vida. É uma falsa escolha. A pandemia é um alerta de que saúde e economia são inseparáveis", indicou.

O chefe da OMS apontou que a agência está disposta a trabalhar com governos para ajudar a abrir suas economias e sociedades. Mas, para que isso ocorra, "todos precisam estar envolvidos e avaliar riscos".

Assassinatos

Tedros ainda lançou uma dura crítica contra pessoas que estariam usando a pandemia para desviar recursos públicos e promover corrupção inclusive na compra de itens para lidar com a covid-19.

"A corrupção com equipamentos de proteção é assassinato", disse. "É criminoso e precisa parar", afirmou. Em vários locais do mundo, casos eclodiram de membros de governos que foram pegos sob a suspeita de aproveitar o comércio de itens como luvas, máscaras e respiradores para desviar recursos.

"Nessa pandemia, vimos o melhor e o pior da humanidade", completou Ryan.