PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

OMS e cientistas enterram cloroquina, e Bolsonaro busca novo "milagre"

                                 Bolsonaro é defensor do uso da cloroquina para diminuir impactos do novo coronavírus                              -                                 GABRIELA BILO/ESTADãO
Bolsonaro é defensor do uso da cloroquina para diminuir impactos do novo coronavírus Imagem: GABRIELA BILO/ESTADãO
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

03/03/2021 12h46

Resumo da notícia

  • Em resposta à coluna, pesquisador de Israel insiste que spray nasal precisa de novos testes antes de ter eficácia e segurança comprovadas
  • Governo envia missão para Tel Aviv na próxima semana

Depois de seis testes clínicos, com mais de seis mil pessoas e meses de estudos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) chegou à constatação nesta semana de que a hidroxicloroquina não funciona e que instituições e governos deveriam suspender qualquer orçamento para o produto e redirecionar suas atenções a novas apostas.

E assim parece ter feito o Brasil do presidente Jair Bolsonaro. A nova aposta é o envio de uma equipe de dez integrantes do governo, incluindo o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para Israel no próximo sábado para conhecer o spray nasal EXO-CD24, testado contra a covid-19. Um acordo deve ser anunciado para permitir que o produto passe por pesquisas no Brasil, depois de um sinal verde da Anvisa.

Em respostas à coluna, na semana passada, o responsável israelense pelo desenvolvimento do novo produto deixou claro: o medicamento não está pronto para uso e precisa de novos testes. Quem fez a declaração é Nadir Arber, do Hospital Ichilov de Israel.

Nas redes sociais, Bolsonaro diz que o spray nasal teve uma "eficácia próxima de 100% (29/30), em casos graves, contra a Covid".

De fato, os pesquisadores responsáveis pelo produto depositam confiança na aposta. Mas são cautelosos em declarar qualquer resultado definitivo. Arber deixou claro que a inovação está apenas em seus primeiros dias de testes. "Não se pode dizer que o tratamento é efetivo com base em apenas em 35 pacientes", disse.

Por enquanto, o spray completou apenas na Fase 1 de testes e o produto foi aplicado em 35 pessoas. "Para ser eficiente, ele precisa ser comparado com placebo", insistiu Arber. Para o próprio inventor, o produto precisa ser confirmado por testes clínicos, em Fase 2 e Fase 3.

Ainda assim, o que o pesquisador declarou foi que os resultados iniciais trouxeram esperança de que o produto seja uma opção real. Dos pacientes que receberam o tratamento, todos tinham desenvolvido a covid-19 em condições severas. O resultado foi uma "melhoria substancial" em praticamente todos eles, assim como melhoria da taxa respiratória e outros indicadores.

Questionado pela coluna sobre a relação com o Brasil e a proposta de aprovação de uso emergencial, Arber destacou a conversa entre Netanyahu e Bolsonaro. Segundo ele, uma eventual aprovação pode ser facilitada com o envolvimento de governos. "Se tivermos isso, podemos fornecer ao mundo em questão de alguns meses", disse. "Mas ao mesmo tempo precisamos ser extremamente conservadores para garantir que a segurança seja central", alertou.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL