PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Europa retira restrições para uruguaios; Brasil continua fora da lista

Centro de vacinação no Uruguai - Anadolu Agency/Anadolu Agency via Getty Images
Centro de vacinação no Uruguai Imagem: Anadolu Agency/Anadolu Agency via Getty Images
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

09/09/2021 13h02

A União Europeia anunciou nesta quinta-feira a inclusão do Uruguai na lista dos países considerados como seguros para viagens de turistas para o bloco europeu. O Brasil, porém, continua fora da lista.

"Após uma revisão sob a recomendação sobre o levantamento gradual das restrições temporárias às viagens não essenciais para a UE, o Conselho atualizou a lista de países, regiões administrativas especiais e outras entidades e autoridades territoriais para as quais as restrições de viagem devem ser levantadas", explicou o bloco.

"O Uruguai foi acrescentado à lista", anunciou a UE, que considera que a taxa de contaminação é baixa o suficiente para que o país seja considerado como "seguro". Já a Albânia, Armênia, Azerbaijão, Brunei, Japão e Sérvia foram removidos da lista.

Apesar da existência da lista, países europeus têm a liberdade de autorizar a entrada de cidadãos vacinados, com imunizantes reconhecidos pelo bloco ou pela OMS.

Hoje, a lista de países seguro da UE inclui Austrália, Bósnia, Canadá, Jordânia, Nova Zelândia, Catar, República da Moldávia, Arábia Saudita, Cingapura, Coréia do Sul, Ucrânia e China, sujeito à confirmação de reciprocidade.

"As restrições de viagem também devem ser gradualmente levantadas para as regiões administrativas especiais da China Hong Kong e Macau", sugere o bloco.