PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Nem Deus, nem Brasil

O presidente dos EUA Donald Trump cumprimenta o então chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na Casa Branca - Reprodução/Twitter
O presidente dos EUA Donald Trump cumprimenta o então chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na Casa Branca Imagem: Reprodução/Twitter
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

24/09/2021 07h02

De licença até meados de 2022, Ernesto Araújo tomou seu precioso tempo para ir às redes sociais contestar um trecho de uma matéria minha na qual eu dizia que o Itamaraty via com esperança a chegada do ministro Carlos França.

Araújo havia deixado a chancelaria em um caos, inclusive administrativo. A avaliação é feita por alguns dos principais embaixadores do país, muitos deles distantes da ala de esquerda no Itamaraty.

Diante dos comentários daquele que é conhecido por seus pares como Beato Salú e questionado inclusive por seus subordinados, segue uma breve lista de episódios e acontecimentos no Itamaraty durante seu comando.

- Levou esposa em avião oficial para Paris
- Mandou instrução direta aos postos no exterior para defender cloroquina
- Acusação de perseguição a diplomatas de pensamento distinto
- Uso do Instituto Rio Branco para promover monarquistas, olavistas e negacionistas
- Acusações de exonerações sem explicações
- Atraso de meses em remoções
- Atraso sistemático de RFs (ajuda de custo de aluguéis de diplomatas)
- RF tem sido paga atualmente baixo mandado de Segurança pedido por SindItamaraty
- Exportadores brasileiros foram prejudicados com tarifas de importação nos EUA para ajudar Trump em eleição
- Ensaiou flerte com os invasores do Capitólio
- Ao cair, pediu licença remunerada de três meses

A lista não é exaustiva. E não entraremos no capítulo política externa "brasileira". Afinal, ainda existem investigações sendo realizadas para determinar se ela de fato existiu.