PUBLICIDADE
Topo

José Luiz Portella

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Senador Rogério Carvalho, o Kandir do PT

Senador Rogério Carvalho - Jefferson Rudy/Agência Senado
Senador Rogério Carvalho Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado
Conteúdo exclusivo para assinantes
José Luiz Portella

Sobre o Autor - Pós-doutorando em sociologia pela FFLCH-USP. Doutor em ciências- área história econômica Doutor em história econômica FFLCH-USP Engenheiro civil -especializado em gestão, orçamento e planejamento urbano; ocupou cargos públicos nos governos federal, estadual e municipal pesquisa medição do impacto das políticas públicas.

Colunista do UOL

01/12/2021 18h03

Antônio Kandir conseguiu se enganar, persistir no erro e impediu por um voto que o governo Fernando Henrique Cardoso procedesse a Reforma da Previdência bem antes. Até hoje não conseguiu convencer ninguém do motivo do erro e entrou em histórico declínio de prestígio no cenário político.

O senador Rogério Carvalho, que pontificou na CPI com sermões morais e éticos, com catilinárias contra contrassensos do governo Bolsonaro, realizou um voto decisivo a favor do governo que combatia.

A justificativa evoca o antigo ditado popular: a emenda foi pior do que o soneto. Dizer que estava votando na autonomia do Congresso é uma desfeita à inteligência alheia. Quando o PT se insurge contra atos da Câmara e do Senado, logo recorre ao STF, como outros partidos de oposição. É um direito, que o PT sempre defendeu e ao qual recorreu.

Quando o STF determinou que o Senado deveria abrir a CPI da Covid, o revoltado Carvalho não achou que era uma interferência. Coube a Rodrigo Pacheco cumprir a decisão, baseada em dispositivo legal, e Rogério gostou muito da oportunidade de aparecer e não condenou o STF por qualquer intromissão.

Rogério Carvalho e certos membros do PT agem como a elite econômica, à qual eles tentam colocar freios, se colocando acima do bem e do mal, e se julgando habilitados para cometerem incoerências entre a pregação e a ação.

Vamos ver o que o PT vai fazer, porque o partido sofre de uma ilusão de indulgência plenária, onde ninguém é responsável por nada. Lula não tem nada a ver com mensalão, Petrobras, indicação de Dilma e de Joaquim Levy, mudança da política econômica no governo Dilma, nem com equívocos quaisquer, crê que não precisa exercer autocrítica.

O PT vai passar o pano em Rogério Carvalho, um Kandir redivivo, vai puni-lo exemplarmente, ou vai só retirá-lo da fotografia ?

Como um partido que tem chances reais de voltar ao Poder, trata-se de um bom momento para o PT comunicar à sociedade como lida com "erros graves", conforme a presidenta Gleisi falou. É um indicativo de como se comportará adiante, se chegar ao Planalto.

Bom saber que a sociedade não é constituída de um conjunto de bobos, que engolem qualquer desculpa esfarrapada.

O PT assoma à tribuna.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL