PUBLICIDADE
Topo

José Luiz Portella

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Invasão dos jabutis nas pegadas da Eletrobras não para, pode haver mais

Jabuti na Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro (RJ) - Marcelo Rheingantz
Jabuti na Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro (RJ) Imagem: Marcelo Rheingantz
Conteúdo exclusivo para assinantes
José Luiz Portella

Sobre o Autor - Pós-doutorando em sociologia pela FFLCH-USP. Doutor em ciências- área história econômica Doutor em história econômica FFLCH-USP Engenheiro civil -especializado em gestão, orçamento e planejamento urbano; ocupou cargos públicos nos governos federal, estadual e municipal pesquisa medição do impacto das políticas públicas.

Colunista do UOL

10/05/2022 11h07

E a onda de jabutis tomando as árvores do pomar brasileiro parece não ter fim.

Pode vir mais por aí.

Fontes bem posicionadas no Congresso, alertam que estão a ser alçados nas árvores da privatização da Eletrobras, possivelmente, mais dois estão programados, resta saber se a luz do sol poderá fazê-los recuar.

Seriam dois jabutis mais dispendiosos ainda que o primeiro:

i) EXTENSÃO DE CONTRATOS DE TÉRMICAS A ÓLEO DIESEL;

II) UMA CONTA GRANDE PARA CONSUMIDORES.

O segundo pode ser rebarbado pelo momento infausto que a sociedade atravessa e o medo de Bolsonaro de ser o responsável por aumentos.

Os jabutis mais saudáveis, que perduram na dura luta pela vida que Darwin descreveu, a sobrevivência dos mais fortes, são os que não parecem para a sociedade explicitamente, como dispensa de processo licitatório ou extensão de contratos, além do limite.

Ainda não estão confirmados, porque Arthur Lira, o dono da pauta, e da articulação com o deputado Fernando Coelho Filho, viajou ao exterior para não assumir a presidência da República, o que o tornaria inelegível.

Toda atenção é necessária, para não haver mais uma privatização para o bem do Brasil, que beneficie alguns brasileiros mais do que os outros.

A ver, quando ele voltar.

E, as perguntas que não querem calar:

a turma interessada, que está fazendo a agenda de Alexandre Padilha no mercado financeiro, terá coragem de continuar enfiando Padilha nesta enrascada?

Padilha teria coragem de tentar convencer Lula?

Quem são os outros interessados ocultos, discretos?

Aguardar os próximos capítulos da novela preferência congressual: Os jabutis sobem no escuro.