PUBLICIDADE
Topo

José Luiz Portella

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Simone Tebet falou, não disse nada e tem respostas a dar

28.nov.2019 - A senadora, Simone Tebet (MDB-MS), durante entrevista exclusiva ao UOL e a Folha de S.Paulo, no estúdio de Brasília.  - Kleyton Amorim/UOL
28.nov.2019 - A senadora, Simone Tebet (MDB-MS), durante entrevista exclusiva ao UOL e a Folha de S.Paulo, no estúdio de Brasília. Imagem: Kleyton Amorim/UOL
Conteúdo exclusivo para assinantes

José Luiz Portella

Colunista do UOL

26/05/2022 16h22

Simone Tebet falou por muito tempo e conseguiu não dizer nada.

Está se tornando uma especialista em enrolação.

Inventou um novo programa de governo: vai fazer um programa COM o povo e não PARA o povo. Criativo.

Entrou no modo Alckmin, quando discursava para o governo: a favor da paz mundial, preocupado com os mais jovens, sem esquecer os mais velhos.

Além das iniciativas acacianas, baseando sua campanha na simples oposição a Lula e Bolsonaro, meses sem criar alguma ideia consistente e diferente, ela tem respostas a dar.

É representante do agronegócio tradicional, que além de reacionário é risco para a Amazônia. Como fica isso?

Ela votou Aécio 2014 e, pior, Bolsonaro 2018.

O que estava fazendo lá (com Bolsonaro) em 2018?

Precisa ter uma boa explicação.

Votando em Paulo Guedes? Crendo em Moro? Contra o politicamente correto?

Ela precisa explicar, antes de aparecer como uma fada do bem, entre os demônios da bipolarização.

Simone Tebet tem verve, mas não possui conteúdo, e demonstrou estar mais preocupada em cavar a vaga para a candidatura do que se preparar para ela.

É liberal na economia e contra a privatização da Petrobras, isso é possível, mas necessita se aprofundar mais na exegese. Ela saltita entre gelo de casca fina, sem rumar para terra firme.

Sua Posto Ipiranga ainda não deu nenhum caminho mais nítido para que a a candidatura seja avaliada e criticada na área econômica. Tebet é incógnita, sem equação.

Dizer que o Brasil é celeiro do mundo e o povo passa fome é tão inovador como Paulo Guedes anunciar mais um factoide em Davos.

Simone Tebet está distante de mudar a cotação do dólar e empolgar.

De conversa fiada, estamos já satisfeitos com Lula e Bolsonaro.

Ela vai ter dificuldades com o PSDB de Aécio, que parece estar jogando para Bolsonaro, mas vai para Lula. Na verdade, joga nas duas. Não tem como errar.

E vai ter que assinar a reforma tributária de Luciano Bivar, União Brasil, se quiser iniciar a conversa. Ela conhece?

Simone Tebet está bem distante se transformar numa terceira via palpável e escalável. Precisa se preparar muito e não pensar que os outros vão votar nela, só porque está contra Lula e Bolsonaro, e não tem a prepotência de Ciro.

Aliás, com todos os defeitos, Ciro ainda é o "terceira via" melhor postado e preparado, os eleitores não estão errados.

Falta alguém que empolgue como terceira via. Vencer os líderes não é tarefa para amadores nem aventureiros.

Pena, Tebet poderia ser melhor.