PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro faz teatro populista com combustíveis

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

06/02/2020 00h18

Jair Bolsonaro é um presidente teatral. De vez em quando, ele exagera na teatralidade. Quando isso ocorre, o teatro do presidente oscila entre o oportunismo e a mediocridade. É o que está acontecendo no caso dos combustíveis. Numa provocação aos governadores, Bolsonaro disse que os Estados deveriam baixar o ICMs que incide sobre os combustíveis. Fez isso sabendo que seria criticado e que as críticas permitiriam que ele executasse no palco um segundo ato.

Bolsonaro declara agora que está disposto a zerar os impostos federais sobre os combustíveis —PIS/Cofins e Cide— se os governadores também zerarem a cobrança do ICMs. O presidente sabe que seu governo não tem condições de zerar os tributos. Bolsonaro tem perfeita noção de que a maioria dos Estados foi à breca. Alguns não conseguem pagar a folha em dia. Num cenário em que não há verba para educação e saúde, subsidiar combustível fóssil seria uma insanidade.

Por que Bolsonaro defende coisas que sabe que não irão acontecer? Simples: para fazer pose na sua bolha das redes sociais. Para poder dizer aos caminhoneiros que o seguem na internet que a culpa pelo reajuste dos combustíveis é dos governadores, não do governo federal. Esse tipo de comportamento tem nome. Chama-se populismo.

Fazer populismo com o preço dos combustíveis é uma trilha perigosa. No governo de Dilma Rousseff, essa fórmula resultou em desastre. A Cide foi reduzida até chegar a zero. Outros tributos foram rebaixados. A Petrobras passou a absorver o custo. Chegou a importar petróleo mais caro do que vendia. O subsídio aumentou o consumo e impôs prejuízos aos cofres públicos. Abriu nos cofres da Petrobras uma cratera de US$ 40 bilhões.

Bolsonaro deveria olhar pelo retrovisor e interromper o teatro. Além de não combinar com a responsabilidade fiscal de sua equipe econômica, a encenação do presidente ofende a lógica.

Josias de Souza