PUBLICIDADE
Topo

Weintraub roça perfeição: tornou o erro mais errado

Estadão Conteúdo
Imagem: Estadão Conteúdo
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

11/02/2020 19h07

Quando a oportunidade bate à porta, a pessoa pode reclamar do barulho ou aproveitar a ocasião. Chamado a explicar no Senado os problemas ocorridos no Enem, o ministro Abraham Weintraub teve a chance de se reposicionar em cena. Preferiu dobrar o ruído.

Weintraub voltou a minimizar o problema. Chamou de "susto" as falhas que comprometeram a credibilidade do sistema de correção, infernizando a rotina de 6 mil estudantes prejudicados diretamente e de 172 mil alunos que procuraram o MEC para elucidar dúvidas.

O ministro separou os queixosos em três grupos: o militante, que se fazia passar por aluno, o que não entendeu o processo e o que foi mal na prova. Quer dizer: depois de atazanar, o doutor ofende a clientela: quem não é picareta ideológico, é desinformado ou ignorante. Para usar um vocábulo da predileção do ministro: Imprecionante!

As duas características mais funestas num administrador público são a incompetência e a prepotência. O Brasil já teve muitos administradores incompetentes e inúmeros gestores prepotentes. O que faz de Weintraub um ministro peculiar é que ele conseguiu reunir os dois flagelos numa mesma pessoa.

Um acerto raramente pode ser melhorado. Mas Weintraub conseguiu roçar a perfeição ao provar no Senado que um erro tem sempre a possibilidade de ser mais errado.

Josias de Souza