PUBLICIDADE
Topo

Língua tóxica de Bolsonaro desestimula investidores

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

10/03/2020 20h45

Noutros tempos, presidentes da República viajavam ao exterior para construir uma imagem positiva do país. Hoje, quem ouve Jair Bolsonaro falar nos Estados Unidos sobre a nação que ele preside fica com a sensação de que Brasil já acabou e as pessoas não se deram conta.

No Brasil descrito por Bolsonaro a Justiça Eleitoral é uma ramificação do Judiciário incompetente o bastante para engolir fraudes que tentaram tungar o seu próprio mandato. E o Congresso, embora já tenha aprovado a reforma trabalhista sob Michel Temer e a reforma previdenciária na atual administração, é um antro de conspiradores contra o interesse nacional.

Só uma coisa se salva no Brasil de Bolsonaro: o próprio Bolsonaro. O presidente inclusive melhorou muito desde a campanha de 2018. Antes, dizia não entender nada de economia. Encostou sua ignorância no Posto Ipiranga. Agora, considera-se um especialista. Tão bom que consegue decifrar em uma palavra a crise que quebra a cabeça de economistas do mundo inteiro: é "fantasia", diz Bolsonaro, invencionice da mídia.

No Brasil de Bolsonaro, o presidente negocia o orçamento impositivo com os parlamentares e depois atiça as ruas contra o Parlamento. É como se o presidente quisesse se consolidar como uma espécie de conto do vigário no qual os parlamentares caíram.

Bolsonaro chama de fraudulentas as urnas que o elegeram. Não exibe as provas que diz possuir. O presidente faz tudo isso em meio a uma crise que ele assegura ser fantasiosa. Um presidente assim parece capaz de tudo, menos de produzir a tranquilidade que estimularia investidores estrangeiros a colocarem dinheiro no Brasil.

Josias de Souza